Descoberto 'cometa apagado' de 50 km entre a Terra e Netuno

Novo astro parece ser um visitante da chamada Nuvem de Oort, a região mais distante do Sistema Solar

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

18 de agosto de 2008 | 14h05

Astrônomos anunciaram nesta segunda-feira, 18, a descoberta de um astro, possivelmente um aglomerado de rocha e gelo, como um gigantesco cometa, que se encontra a cerca de três bilhões de quilômetros da Terra - mais perto que o planeta Netuno.   O novo corpo celeste, batizado 2006 SQ372, tem uma órbita ao redor do Sol extremamente esticada, quatro vezes mais longa do que larga, e que leva 22.500 anos para se completar. Seu diâmetro é estimado como sendo de entre 50 km e 100 km.   O líder da equipe responsável pela descoberta, Andrew Becker, da Universidade de Washington, diz que o astro nunca chega perto o suficiente do Sol para desenvolver uma cauda, como os cometas tradicionais.   Sedna, um planeta-anão descoberto em 2003, é o único outro objeto com órbita semelhante, mas a do novo astro é ainda mais excêntrica.   Os autores da descoberta acreditam que 2006 SQ372 é um corpo da Nuvem de Oort, uma região remota do Sistema Solar onde, acredita-se, os cometas têm origem. Essa nuvem forma uma esfera que envolve o Sistema Solar e se estende por trilhões de quilômetros.   A existência da nuvem foi proposta, nos anos 50, pelo astrônomo holandês Jan Oort. O corpo 2006 SQ372 pode ser um visitante da chamada nuvem interna, uma região distinta da nuvem externa, mais distante, da onde originam-se os cometas tradicionais.   O astro está, neste momento, afastando-se do Sol, a caminho do extremo longínquo de sua trajetória, que fica a mais de 200 bilhões de quilômetros de distância. Ele só voltará à vizinhança de Netuno quando completar uma nova órbita, dentro de mais de 22 mil anos.   A descoberta foi anunciada durante um simpósio internacional sobre a Sloan Digital Sky Survey (SDSS), um esforço para mapear todo o céu com telescópios. O novo astro foi encontrado em imagens feitas pela SDSS. O feito será descrito na revista especializada Astrophysical Journal.

Tudo o que sabemos sobre:
asteróidecometasednaoort

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.