Descoberto dinossauro de pescoço curto na Argentina

Cientistas alemães e argentinos identificaram na Patagônia (sul da Argentina), a partir de restos fósseis, um dinossauro herbívoro de tamanho médio com pescoço e corpo curtos desconhecido até agora, aparentemente próximo das espécies gigantes de pescoço longo, segundo artigo que será publicado na edição desta quinta-feira da revista Nature.Este dinossauro, com menos de 10 metros de comprimento, viveu no período Jurássico Superior (de 135 a 150 milhões de anos) e recebeu o nome científico de "Brachytrachelopan mesai", explicou Olivier Rauhut, do Centro Bávaro de Paleontologia e Geologia de Munique (sul da Alemanha) e seus colegas.Segundo os cientistas, apesar do parentesco com dinossauros de pescoço muito longo, como o diplodocus, que lhes permitia alcançar comida no topo de árvores, o novo dinossauro devia se alimentar de ervas e outros vegetais que cresciam perto do solo. Seu pescoço é mais curto que o de dinossauros do mesmo grupo, os dicraeossauros, conhecidos pelo pescoço relativamente curto.A descrição de uma nova espécie de dinossauro com pescoço curto sugere que os répteis pescoçudos herbívoros do período jurássico superior podem ter sido mais diversos, dizem pesquisadores na revista científica Nature (www.nature.com).De acordo com os pesquisadores que estudaram o fóssil, ele quebra o padrão observado nas outras espécies da mesma família, os saurópodes, caracterizados por corpos imensos, pescoços longos e cabeças pequenas. "O pescoço longo é uma marca particular dos dinossauros saurópodes e está freqüentemente ligada a adaptações para alimentação", escrevem na revista os cientistas.Segundo eles, a descoberta de um representante do grupo dos dicraeossauros com um pescoço 40 cm, em média, menor demonstra uma clara oposição do padrão existente e "indica que sua ecologia podia ser bastante diferentes dos demais saurópodes", com um regime alimentar mais variado do que se pensava. O dinossauro americano, por exemplo, seria capaz de comer plantas de 1 a 2 metros de altura, enquanto seus primos conseguiam ir mais longe.O B. mesai também mostra que os dicraeossauros se dispersaram rapidamente pelo Hemisfério Sul após a separação do supercontinente Gondwana das terras do norte, a Laurásia. O deslocamento de Gondwana originou a formação de África, América do Sul, Antártida, Austrália e Índia. A descoberta de fósseis do mesmo tipo de dinossauro na África, especialmente na Tanzânia, evidencia a dispersão de sua espécie.

Agencia Estado,

01 de junho de 2005 | 17h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.