Descoberto na Armênia cérebro com 6 mil anos de idade

Um jornal local explicou que o cérebro, que está bem conservado, foi encontrado em uma caverna

Efe,

14 de janeiro de 2009 | 16h42

Uma equipe de especialistas descobriu na Armênia um cérebro que teria seis mil anos de antiguidade, informou nesta quarta-feira, 14, o jornal armênio Kapital. Veja também: Arqueólogos britânicos encontram cérebro de 2 mil anos O jornal explicou que o cérebro, que está bem conservado, foi encontrado em uma caverna do sudeste do país, perto da fronteira com o Irã e, se as estimativas preliminares forem confirmadas, seria o mais antigo descoberto no mundo. Em meados de dezembro do ano passado, especialistas britânicos encontraram um cérebro de cerca de dois mil anos de antiguidade. Agora, os especialistas estão estudando o cérebro descoberto na Armênia, sobre cuja superfície foram conservados vasos e células sanguíneas. O cérebro se encontra dentro de um dos três crânios achados na gruta e pertencentes a três jovens que teriam morrido aos 13 ou 14 anos devido ao impacto de um pedaço de pau, provavelmente durante um ritual, segundo as análises anatômicas. Além disso, na caverna foram descobertos cântaros grandes, facas metálicas, sementes de fruta de mais de 30 espécies, cordas e vestidos em bom estado de conservação graças à baixa umidade e à temperatura estável registrada na gruta.

Tudo o que sabemos sobre:
ciênciaarqueologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.