Descoberto sistema solar com dois anéis de asteróides

Em vários aspectos, sistema de Epsilon Eridani parece ser uma versão mais jovem do nosso Sistema Solar

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

28 de outubro de 2008 | 15h39

A estrela Epsilon Eridani tem dois anéis de asteróides e um cinturão externo de material congelado, semelhante à região do nosso Sistema Solar onde se originam alguns cometas e onde fica o planeta-anão Makemake.    Satélite Corot detecta 'terremotos' em três estrelas distantes  Fotografado planeta em órbita de estrela semelhante ao Sol   O mais interno dos anéis é idêntico ao cinturão de rochas que orbita o Sol, enquanto que a outra faixa rochosa tem 20 vezes mais material. Cientistas dizem que a presença dos cinturões indica que há planetas ainda não vistos no sistema. A gravidade desses planetas é necessária para manter os cinturões "na linha".   Epsilon Eridani é um pouco menor e mais fria que o Sol, e fica a cerca de 10 anos-luz da Terra. É a estrela mais próxima do Sol a ter um planeta confirmado - Epsilon Eridani b, descoberto em 2000 e confirmado em 2006 - e alguns entusiastas da série Jornada nas Estrelas identificam-na como a estrela natal do personagem Sr. Spock.   Trata-se da nona estrela mais próxima do Sol, e é visível no céu a olho nu, na constelação de Eridanus. Também é jovem, com 850 milhões de anos, ou menos de um quarto da idade do Sol. O principal autor do trabalho quer descreve a descoberta dos anéis, Dana Backman, do Instituto Seti, diz em nota que o sistema "provavelmente se parece muito com o nosso, quando era mais novo".   O nosso Sistema Solar tem um cinturão de asteróides localizado entre Marte e Júpiter, com 5% da massa da Lua. Usando o Telescópio Espacial Spitzer, da Nasa, a equipe de Backman encontrou um cinturão idêntico, e a uma distância equivalente da estrela, no sistema de Epsilon Eridani.   O segundo cinturão fica seis vezes mais longe da estrela, numa distância equivalente à que separa o Sol do planeta Urano. Esse cinturão tem massa igual à da Lua.   O terceiro anel, de material congelado, fica ainda mais longe, indo de cerca de 30 vezes a cerca de 100 vezes a distância que separa a Terra do Sol. O Sol tem um cinturão de fragmentos congelados para além da órbita de Netuno, o Cinturão de Kuiper, mas o anel de gelo de Epsilon Eridani contém 100 vezes mais massa. Depois de seu "rebaixamento" a planeta-anão, Plutão passou a ser considerado, por muitos astrônomos, como o principal objeto do Kuiper.   A equipe de Backman sugere que o Cinturão de Kuiper continha muito mais material no passado, mas que os objetos podem ter sido arremessados para o espaço distante por perturbações gravitacionais ou mergulhado em direção ao Sol, colidido com planetas e luas, bilhões de anos atrás.   Segundo os autores da descoberta, três planetas, com massas intermediárias entre as de Netuno e Júpiter, poderiam explicar a distribuição de material observada em Eridani. O planeta descoberto em 2000 - com massa um pouco maior que a de Júpiter -  ficaria perto do anel mais interior, mas a presença desse cinturão restringe a possível órbita do astro, já que sua gravidade poderia arrancar os asteróides da formação.   A descoberta dos anéis será descrita em janeiro na publicação The Astrophysical Journal.

Tudo o que sabemos sobre:
planeta-anãoplanetaepsilon eridani

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.