Descobertos na Ucrânia os segundos Homo sapiens mais antigos da Europa

Restos humanos têm 32 mil anos de antiguidade e foram encontrados em uma jazida na Romênia

Efe

28 Junho 2011 | 14h23

PARIS - Restos humanos de 32 mil anos de antiguidade foram descobertos na península da Criméia, ao sul da Ucrânia, que comprovam a presença dos segundos Homo sapiens mais antigos da Europa, os primeiros foram encontrados em uma jazida na Romênia.

O Centro Nacional de Pesquisa Científica francês (CNRS), que participou da expedição, explicou em comunicado nesta terça-feira que são ao menos cinco indivíduos: uma criança, dois adolescentes e dois adultos, que foram achados junto a ferramentas talhadas de pedra e ossos, joias em forma de pérola de marfim de mamute e conchas perfuradas.

Os pesquisadores destacaram que os esqueletos na Criméia tinham a cabeça separada do corpo, o que atribuíram a um provável ritual funerário, afastando a ideia de canibalismo.

Na jazida ucraniana, situada em uma região montanhosa e explorada em diversas ocasiões, foram encontrados agora 162 fragmentos ósseos humanos, assim como de antílopes, raposas e lebres, em uma camada rochosa correspondente ao paleolítico superior.

O CNRS destacou que a descoberta abre as portas para estudos mais pluridisciplinares na área. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.