Divulgaçãol/ Inpe
Divulgaçãol/ Inpe

Desligamento de supercomputador do Inpe pode prejudicar previsões de tempo e clima

O Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam) encaminhou representação aos ministérios públicos Federal e Estadual solicitando com urgência a manutenção do monitoramento meteorológico e um plano de contingência para a crise

Sofia Aguiar, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2021 | 14h26

SÃO PAULO - O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) está prestes a desligar, por falta de recursos e pela primeira vez na história, o supercomputador Tupã responsável por previsões de tempo e clima, tratamento e coleta de dados meteorológicos, emissão de alertas climáticos e pesquisa e desenvolvimento científico. Diante da grave crise hídrica que atinge o País, o Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam) encaminhou representação aos ministérios públicos Federal e Estadual solicitando com urgência a manutenção do monitoramento meteorológico e um plano de contingência para a crise.

O documento foi enviado também ao Tribunal de Contas da União (TCU) e às defensorias públicas das regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste. A diretoria do Inpe prevê o desligamento de pelo menos uma parte da operação do Tupã, o que poderá interromper pesquisas em andamento e o fornecimento de dados meteorológicos. O desligamento está previsto para no mais tardar em agosto. 

Segundo Yara Schaeffer-Novelli, professora da Universidade de São Paulo, "haverá prejuízos, por exemplo, no monitoramento de queimadas no Brasil, assim como estiagens e mudanças climáticas no País, que potencializam os danos à biodiversidade".

Este ano, o Inpe recebeu o menor orçamento da história do governo federal. Dos R$ 76 milhões previstos, só foram liberados até o momento R$ 44,7 milhões. O restante continua contingenciado, sem previsão de ser entregue, conforme dados do próprio instituto. Só de energia elétrica, o supercomputador Tupã consome R$ 5 milhões por ano.

O Proam e outras instituições assinaram uma carta aberta às autoridades frente à crise climática de 2021, solicitando um plano de contingência com participação da sociedade civil, evitando o foco mais restrito à geração de energia, o que poderia levar o Brasil a adotar usinas termelétricas, que emitem gases efeito estufa. 

Para Carlos Bocuhy, presidente do Proam, "é inaceitável que em um momento como esse, diante da crise hídrica esperada no segundo semestre, com aumento dos preços da energia e risco de racionamento de água, o supercomputador seja desligado, com o argumento de falta de verbas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.