Desmatamento coloca Brasil entre os maiores emissores

Segundo o presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Sérgio Besserman Vianna, o Inventário Brasileiro de Emissões está praticamente pronto e deverá ser apresentado em breve ao Congresso Nacional. A informação foi dada hoje, durante a inauguração do novo escritório do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, que funcionará na sede do IBGE em São Paulo.Coordenado pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, o inventário é condição para o Brasil poder ratificar o Protocolo de Kyoto, o que deve acontecer, conforme determinação do presidente Fernando Henrique Cardoso, antes da Conferência Mundial do Meio Ambiente (Rio+10), em setembro, em Joanesburgo, África do Sul. Esse tratado estabelece compromissos concretos para os países desenvolvidos no que tange à redução de gases causadores do efeito estufa e entrará em vigor quando 55 países o ratificarem.Conforme Fábio Feldmann, secretário executivo do Fórum de Mudanças Climáticas, embora o Brasil não esteja na lista dos países que têm obrigação de diminuir as emissões dos gases do efeito estufa, ?o inventário vai mostrar que o País está entre os dez maiores emissores do mundo, por conta do desmatamento na Amazônia?. Isso porque, mesmo tendo a maior parte de sua matriz energética hídrica, considerada limpa, ao queimar a floresta o país libera na atmosfera uma enorme quantidade de carbono, o principal dos gases do efeito estufa.A localização da sede paulista do Fórum, que tem também escritório em Brasília, deve-se ao fato do IBGE ser o futuro depositário do Inventário Brasileiro de Emissões. ?O Instituto será responsável pela manutenção do banco de dados e pela divulgação do inventário. Além disso, dará suporte para sua atualização, que continuará a depender de várias instituições?, explica Vianna.Criado pelo governo para mobilizar a sociedade para a discussão sobre os problemas decorrentes da mudança do clima por gases de efeito estufa, o Fórum tem ainda a missão de conseguir incluir esse tema nas políticas públicas do País. ?A temperatura na Terra deverá subir mais de 3,5o C nos próximos 100 anos, o que faz das mudanças climáticas o grande desafio de humanidade neste século?, diz Feldmann.

Agencia Estado,

28 de fevereiro de 2002 | 14h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.