Dinheiro compra ´felicidade´, mas por pouco tempo

Pessoas mais ricas tendem a se sentir mais felizes que as mais pobres, concluiu estudo realizado pelas universidades de Harvard e Estatal da Pensilvânia, envolvendo indivíduos de 20 a 64 anos.Mas esta sensação de felicidade é ofuscada pelo fato de que as pessoas costumam comparar seus rendimentos com os de outros indivíduos de seu mesmo grupo social."Quanto mais alto é o rendimento dos demais integrantes do grupo etário a que pertencemos, menor é a nossa felicidade", disse Glenn Firebaugh, sociólogo da Universidade da Pensilvânia, um dos co-autores da pesquisa junto com Laura Tach da Universidade de Harvard."Ao invés de promover uma felicidade generalizada, o crescimento contínuo dos rendimentos pode promover uma permanente corrida consumista, em que os indivíduos consomem mais e mais apenas para manter um nível constante de felicidade", explicou Firebaugh.A pesquisa faz parte do relatório Rendimento relativo e felicidade: os americanos estão em uma corrida hedonista?, apresentado no congresso anual da Associação Americana de Sociologia, na Filadélfia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.