Dinos comiam grama, revela estudo

Uma descoberta anunciada na revista Science muda a paisagem que se imaginava acompanhar os dinossauros. Segundo o estudo de cropólitos (fezes fossilizadas) de répteis herbívoros que viveram entre 65 e 71 milhões de anos atrás, o capim já fazia parte do cenário e de sua dieta.A evidência anterior mais antiga de grama data de 55 milhões de anos, muito depois de os dinossauros terem desaparecido. Além da surpresa cronológica, os paleontólogos não imaginavam que répteis gigantes como os saurópodes - bichos do tamanho de um hipopótamo com pescoço longo e cabeça pequena - tinham dentes para mastigar grama, específicos para triturar folhas abrasivas.?A maioria das pessoas não imaginaria que eles comiam grama?, diz Caroline Stromberg, do Museu de História Natural da Suécia, que liderou uma equipe de paleobotânicos indianos.O estudo se baseou na análise microscópica de cropólitos achados na Índia central. Eles contêm partículas microscópicas de sílica chamadas fitólitos. Cada célula vegetal apresenta padrões diferentes dessas partículas, então é possível descobrir sua espécie. Entre os tipos encontrados estão variações de arroz, bambu e forrações.A análise também mostrou que as gramíneas não eram a base da alimentação dos saurópodes. Mas sua presença indica que o vegetal surgiu por volta de 80 milhões de anos atrás, tempo suficiente para ter evoluído em diversas espécies e se espalhar pelo continente a ponto de fazer parte do cardápio de dinossauros.A pesquisa, além de mostrar detalhes da dieta dos dinossauros, também fornece pistas sobre a coevolução dessa família de plantas e de outros herbívoros - como algum mamífero que vivesse no mesmo período, mais adaptado a esse tipo de alimentação.?Esses resultados levam à reconsideração de hipóteses antigas?, escreve Dolores Piperno, do Instituto Smithsonian, na mesma revista.

Agencia Estado,

18 de novembro de 2005 | 11h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.