Dinos dominaram o mundo porque tiveram sorte, diz estudo

Tão adaptados quanto os crurotarsos, por algum motivo foram os únicos a sobreviver a duas tempestades

da Redação, estadao.com.br

11 de setembro de 2008 | 17h55

Em um estudo publicado nesta quinta-feira, 11, na revista Science, os pesquisadores Steve Brusatte e Mike Benton desafiam o consenso de que deveria haver algo especial nos dinossauros, que os ajudou a ser tão proeminentes.  Dinossauros são símbolo tanto do fracasso quanto do sucesso. Fracasso porque foram extintos subitamente há 65 milhões de anos; sucesso porque dominaram os ecossistemas terrestres por mais de 100 milhões de anos.  Mas por que os dinossauros conseguiram ser tão bem sucedidos, diversos e grandes? Muitos cientistas argumentam que eles deveriam ter algum tipo de característica que os ajudava na competição com outros vertebrados, incluindo crocodilos. Brusatte e Benton são os primeiros a olhar para o contexto geral da evolução dos dinossauros e seus competidores mais próximos durante o período Triássico (de 251 a 199 milhões de anos atrás). Primeiro, eles identificaram os competidores mais prováveis para os primeiros dinossauros: os arcossauros crurotarsos, um grande grupo de animais bastante próximo dos crocodilos, que formam metade do grupo Archosauria, sendo a outra metade os dinossauros (e seus descendentes, os pássaros). Ao contrário dos crocodilos de hoje, os crurotarsos do Triássico eram bastante diversos. Eles eram enormes predadores quadrúpedes, predadores bípedes, onívoros bípedes e herbívoros. Muitos deles não se pareciam nem um pouco com crocodilos e, ao contrário, eram mais semelhantes aos dinossauros.  Os pesquisadores analisaram o padrão evolucionário dos dois grupos no final do Triássico. Usando um grande banco de dados anatômicos - cerca de 500 características do esqueleto - e uma nova árvore genealógica do grupo arcossauro. Eles mediram taxas evolutivas e disparidades morfológicas.  Eles não encontraram diferenças entre as taxas a que os dinossauros e os crurotarsos estavam evoluindo. Isso é surpreendente pois, se os dinossauros realmente fossem superiores, deveriam estar evoluindo mais rápido.  Os resultados para a segunda medida, da disparidade morfológica, foram ainda mais surpreendentes. Crurotarsos tinham muito maior disparidade que os dinossauros nos Triássico. Em outras palavras, eles estavam explorando uma variedade maior de estilos de vida.  Steve Brusatte, da Universidade de Bristol, disse que "se estivéssemos no final do Triássico e tivéssemos que apostar em qual grupo acabaria dominando os ecossistemas, todos os apostadores razoáveis colocariam suas fichas nos crurotarsos. Não havia sinais de que os dinossauros eventualmente os sucederiam, então por que isso aconteceu? A resposta são dois eventos de extinção de massa: os dinossauros não só tiveram sorte, mas tiveram sorte duas vezes." "Eles primeiro resistiram a uma crise há 228 milhões de anos, juntamente com os crurotarsos, que acabou com boa parte do resto da competição. Então, eles sobreviveram a uma segunda crise há 200 milhões de anos. Os crurotarsos, ao contrário, foram extintos, com a exceção de algumas poucas linhagens de crocodilos." "Por que os crurotarsos foram extintos e não os dinossauros? Não sabemos, mas desconfiamos que não seja nada além de sorte."

Tudo o que sabemos sobre:
dinossaurosScience

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.