Dinossauro mumificado revela surpresas, dizem cientistas

Ao contrário da maior parte dos fósseis de dinossauro, neste caso preservaram-se os tecidos também

MAGGIE FOX, REUTERS

03 de dezembro de 2007 | 12h54

Um hadrossauro parcialmente mumificado e descoberto por um adolescente de Dakota do Norte (EUA) pode ser o dinossauro mais completo já encontrado, com a pele intacta mostrando estrias na superfície e talvez tecido mole, disseram pesquisadores na segunda-feira. Uma porção suficiente do animal continua intacta para provar que o hadrossauro corria velozmente e que era mais musculoso do que os cientistas acreditavam. "Isso é mais ou menos como uma fusão do faraó Tut como T. Rex", afirmou o paleontólogo Phil Manning, da Universidade de Manchester (Grã-Bretanha), em uma entrevista concedida por telefone. A criatura está fossilizada - sua pele e seus ossos transformaram-se em pedra. Mas, ao contrário da maior parte dos fósseis de dinossauro, preservaram-se os tecidos também. Isso incluiu uma grande parte da pele no animal, que mostra claramente a marcação de escamas. "A sensação não é de pele real. Trata-se de uma pele fossilizada", afirmou Manning. "Mas, quando se passa a mão sobre a pele do dinossauro, isso é o mais perto que se chegará de tocar um dinossauro de verdade." O restos mortais do hadrossauro, batizado de Dakota, foram encontrados em 2000 por Tyler Lyson, então com 17 anos de idade, no rancho do tio dele no Estado de Dakota do Norte. O hadrossauro, um animal herbívoro que caminhava apoiado sobre duas pernas, viveu 67 milhões de anos atrás, durante o período cretáceo. Lyson entrou com contato com Manning. A Sociedade Geográfica Nacional, que ajudou a pagar pela expedição, levará ao ar, no domingo, um programa de TV sobre o trabalho da equipe. Manning fez com que a equipe retirasse o animal monstruoso de maneira quase intacta. Apenas a cauda saiu dentro de um bloco em separado. O fóssil pesava perto de 4.500 quilos. Os pesquisadores conseguiram convencer a Boeing e a Nasa (agência espacial dos EUA) a usarem um enorme aparelho de tomografia computadorizada existente em Canoga Park (Califórnia) e utilizado geralmente para escanear pedaços de ônibus espaciais. O fóssil denso levou meses para ser totalmente escaneado, disse Manning. "Saberemos nos próximos dias se a cabeça dele está lá." A cauda revelou algumas surpresas. A parte traseira do animal é 25% maior do que se pensava anteriormente.

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIADINOSSAUROMUMIFICADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.