Disposição do Senado para Biossegurança anima Embrapa

A sinalização de que o Senado pode acelerar a aprovação do Projeto da Lei de Biossegurança foi comemorada pelo presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Cleyton Campanhola. Ele disse que o texto aprovado na Câmara dos Deputados é bom para a Embrapa e para outras instituições, pois destrava as pesquisas com organismos geneticamente modificados."Para a Embrapa e as instituições é importante que as pesquisas voltem a seu ritmo normal", disse ele ao abrir a 4.ª Exposição Ciência para a Vida, na sede da Embrapa, em Brasília.Ele acrescentou que o PL é pioneiro ao ditar de modo muito claro as regras para cultivo experimental e comercial de transgênicos. A legislação vigente, disse, exige licenciamento ambiental mesmo para as pesquisas de campo, mas com o acordo firmado no ano passado entre aEmbrapa e o Ibama esse licenciamento é obtido de forma mais rápida."Mas com a nova legislação a necessidade de licenciamento ambiental para pesquisa de campo éeliminada, o que é muito bom", disse.Depois de conseguir autorização para pesquisas com feijão resistente ao mosaico dourado, e mamão resistente a vírus, os próximos projetos da Embrapa são milho, algodão e batata transgênicos. Esses experimentos já estão sendo testados nas casas de vegetação e o próximo passo são os testes em campo.Quanto ao algodão, Campanhola disse que é possível desenvolver uma variedade resistente à lagarta em três ou quatro anos, mas é necessário avaliar os riscos dessa variedade, pois podehaver transferência de genes para espécies silvestres.

Agencia Estado,

18 de maio de 2004 | 12h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.