Diurético deveria ser primeira opção no combate à hipertensão

O velho diurético é tão bom, senão melhor, para combater a hipertensão e impedir suas complicações que algumas substâncias mais novas e mais caras, segundo estudo divulgado esta semana no Journal of the American Medical Association. A pesquisa, realizada durante oito anos com 33.357 pacientes, foi conduzida por Jackson T. Wright, da Universidade Case Western Reserve e financiado pelo Instituto do Coração, dos Pulmões e do Sangue dos EUA. Segundo os pesquisadores, o diurético, que faz efeito por reduzir o excesso de água e sódio no organismo, foi usado durante muito tempo para tratar a pressão alta, mas seu uso caiu de 56% das receitas em 1982 para 27% em 92, enquanto a prescrição de medicamentos novos cresceu.O estudo comparou os resultados obtidos com o diurético genérico clorotalidona com os efeitos de duas substâncias maisnovas: o inibidor enzimático lisinopril e o bloqueador de cálcio amlodipina. Os resultados indicaram que maior porcentagem depacientes baixou a pressão a níveis normais quando usou o diurético e também que este era mais efetivo que o bloqueador decálcio na prevenção da insuficiência cardíaca e melhor que o inibidor enzimático para impedir derrames, insuficiência cardíaca ou angina.

Agencia Estado,

18 de dezembro de 2002 | 18h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.