DNA 'saltador' faz cada pessoa ser única, diz estudo

A equipe encontrou os chamados transponsons, exclusivos, em mais de 90% de 76 pessoas estudadas

REUTERS

24 Junho 2010 | 18h11

Trechos de DNA "saltadores" são muito mais comuns do que se imaginava, e quase todas as pessoas têm um padrão único deles, dizem cientistas americanos.

 

linkProjeto Genoma influenciou novos biomédicos, diz revista

especial Sequenciamento do genoma, 10 anos

 

Eles também encontraram um número inesperadamente alto desses genes, conhecidos como transponsons, em tumores de pulmão e disseram que eles podem conter pistas para esse tipo de câncer.

 

"Descobrimos que se você tem um filho, a criança pode ter uma ou mais cópias novas desses transponsons que você não tem", disse Scott Devine, da Escola de Medicina da Universidade de Maryland, em nota.

 

"A partir dessas descobertas, prevemos que haverá mais variação de genomas humanos do que os cientistas acreditavam", acrescentou Devine, que encabeçou o estudo enquanto estava na universidade Emory.

 

Os resultados podem ajudar a estimular uma revolução que, esperam cientistas, levará a uma medicina sob medida para o paciente, e a um uso de drogas e remédios muito mais específico, além de novas terapias para tratar e evitar doenças.

 

Transposons replicam-se e "saltam" de um ponto a outro do cromossomo. A equipe de Devine encontrou transponsons únicos em mais de 90% de 76 pessoas estudadas, de acordo com artigo publicado na revista Cell.

 

Essas mutações podem afetar a função de outros genes. Trechos de DNA imediatamente adiante ou atrás de um gene podem ativá-lo ou desativá-lo, ou afetar seu funcionamento.

 

O fato de as pessoas terem transponsons já era conhecido. "Quarenta e cinco por cento do genoma, sabe-se, são sequências de transponson", disse Devine. Mas a maioria está inativa, passando sem mudar e no mesmo lugar de uma geração para a outra.

 

"O que nos interessa são os que estão se deslocando hoje. Encontramos uma média de 15 novas inserções por pessoa", disse Devine.

 

O genoma humano tem 3 bilhões dos chamados pares de bases - as letras A, T, G e C do material genético. "Isso pode afetar cada par de bases em algum lugar no planeta", disse o pesquisador. "O que isso faz com as pessoas? Dá para imaginar várias coisas, como causando doenças".

 

Cada ser humano tem os mesmos 20.000 genes básicos, mas cada gene é feito de diversos pares de bases, e há mudanças sutis, exclusivas de cada um. Além disso, DNA localizado nos cromossomos, mas fora dos genes, afeta o corpo de formas que só agora começam a ser compreendidas.

 

Os transponsons saltam nessas regiões sem genes, mas às vezes penetram nos genes.

Mais conteúdo sobre:
genética genoma transponson cromossomo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.