Documentário mostra ilhas oceânicas brasileiras

As paisagens únicas e a biodiversidade das ilhas oceânicas brasileiras são o tema do documentário Expedição Brasil Oceânico, da produtora Canal Azul, que acaba de ser lançado em São Paulo. Primeira produção nacional sobre o assunto, o documentário tem direção de Lawrence Wahba, um dos mais importantes mergulhadores e cinegrafistas submarinos brasileiros, e narração do ator Lima Duarte.Dividido em dois episódios, Expedição Brasil Oceânico exibe imagens colhidas nas ilhas mais remotas do País. Formada pelo oceanógrafo Marcelo Skaf, a repórter Daniela Barbieri, o instrutor de mergulho Fábio Pereira, o biólogo e fotógrafo submarino Lisandro de Almeida e o capitão amador Lauro Andrade Marins, a equipe de Wahba mostra, em Oásis do Atlântico, as ilhas oceânicas de Trindade, Martim Vaz e os Penedos de São Pedro e São Paulo. Já O Atol Esquecido é o primeiro documentário completo sobre o Atol das Rocas, declarado pela Unesco, em dezembro de 2001, Patrimônio Natural da Humanidade.Entre os destaques do trabalho, uma co-produção com a 20th Century Fox e a Natural History New Zealand (NHNZ), a segunda produtora do mundo em trabalhos sobre a natureza, estão os animais marinhos e terrestres encontrados. Entre eles, os enigmáticos petréis, aves raras que fazem ninhos em apenas duas ilhas em todo o planeta: em Trindade e na longínqua Ilha Maurício, distante 9 mil quilômetros, no Oceano Índico. Marcelo Skaf/DivulgaçãoBanco Oceânico - Cadeia Vitória Trindade (Montanha Submarina)No Atol, além da curiosa formação do local, a equipe registrou o ?mar? de aves que habitam o local - cerca de duas por metro quadrado, entre elas atobás, viuvinhas e trinta-réis, que vivem em permanente disputa pelos melhores locais para construírem seus ninhos. Embaixo d?água, foram captadas imagens de cardumes de tubarão, peixes-frade, raias, peixes-borboleta entre outras.?O objetivo da expedição foi documentar a geologia, fauna, flora e trabalhos que estão sendo feitos nesses locais, os quais a maior parte da população nem sabe que existe ou só vê como um pontinho no mapa. Queremos sensibilizar o público, que não pode ir até lá, que são lugares frágeis e que precisam ser protegidos?, diz o diretor.Segundo Wahba, o Atol das Rocas, distante 224 Km de Natal (RN), é um exemplo de boa administração. ?Transformado em Reserva Biológica, o Atol é um modelo de conservação para o País. Já Trindade, na direção de Vitória (ES) e São Pedro e São Paulo (já no hemisfério norte), não estão protegidas, mas precisariam ter planos de manejo para regulamentar, principalmente, a pesca?, avalia.O documentário está sendo distribuído mundialmente em sua versão em inglês. Em português, deu origem a um DVD, que está sendo comercializado nas lojas especializadas e de mergulho, além de estar acessível em locadoras de vídeo.

Agencia Estado,

03 de setembro de 2002 | 16h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.