Droga contra HIV combate malária

Remédios usados para tratar o HIV, o vírus da aids, também podem impedir o desenvolvimento da malária, segundo pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália. Eles comprovaram pela primeira vez que remédios anti-retrovirais impediram que o parasita que causa a malária crescesse.Essas drogas também foram eficientes contra parasitas que tinham desenvolvido resistência aos remédios comuns contra malária, de acordo com testes de laboratório. Os pesquisadores disseram que sua descoberta é particularmente importante para áreas em que tanto o HIV quanto a malária ocorrem em grande número.A malária mata mais de 1 milhão de pessoas por ano, com mais de 90% dos casos registrados na África sub-saariana. Esta também é a região com a maior taxa de incidência de HIV.Pesquisas mostram que pessoas com o HIV têm duas vezes mais chances de contrair malária do que aquelas que não têm o vírus.Inibidores de proteaseEstudos recentes mostraram que um grupo de drogas contra o HIV, chamadas de inibidores de protease, podem ter efeitos sobre a malária. Essas drogas impedem o desenvolvimento do HIV ao bloquear uma enzima-chave, da qual o vírus precisa para se reproduzir.Cinco entre sete diferentes inibidores de protease também conseguiram matar parasitas da malária desenvolvidos em laboratório. Os pesquisadores confirmaram suas descobertas com testes em ratos infectados com malária."Essas drogas são eficientes contra a malária em concentrações clinicamente relevantes", disse Kathy Andrews, do Instituto de Pesquisas Médicas de Queensland, que chefiou o estudo.Embora os alto custos e os efeitos colaterais destes remédios não os tornem uma primeira opção para tratar malária, Kathy Andrews afirma que o estudo indica que um uso mais amplo dessas drogas em pessoas infectadas tanto com o HIV quanto com a malária poderia ser mais benéfico.Mas ainda não está claro como as drogas bloqueiam o desenvolvimento do parasita.

Agencia Estado,

27 de junho de 2005 | 10h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.