É possível acreditar em Deus e em ETs, diz diretor do Vaticano

'Pode-se admitir a existência de outros mundos vidas sem por isso questionar a fé na criação', disse Funes

Efe

13 de maio de 2008 | 19h13

O diretor do observatório Astronômico do Vaticano, conhecido como Specola, o jesuíta argentino José Gabriel Funes, afirmou que é possível acreditar em Deus e nos extraterrestres. "Pode-se admitir a existência de outros mundos e outras vidas, inclusive mais evoluída que a nossa, sem por isso questionar a fé na criação, na encarnação e na redenção", disse. "É possível crer em Deus e nos extraterrestres", ressaltou Funes, de 45 anos, em entrevista ao jornal vaticano L'Osservatore Romano. O jesuíta argentino afirmou que a astronomia aproxima o homem de Deus e ressaltou que é um "mito" considerar que essa ciência favorece uma visão atéia do mundo. Funes destacou que o Universo não é infinito, que tem 14 bilhões de anos e que a teoria do Big Bang é a que melhor explica, até agora, a origem do mundo. Questionado sobre se a teoria do Big Bang reforça ou contradiz a visão de fé baseada no que conta a Bíblia, Funes disse que, "como astrônomo, continuo achando que Deus é o criador do Universo e que nós não somos frutos da casualidade, mas filhos de um bom pai, o qual tem para nós um projeto de amor". Funes afirmou também que os astrônomos sustentam que o Universo é formado por 100 bilhões de galáxias, cada uma das quais composta por 100 bilhões de estrelas e que muitas delas ou quase todas podem ter planetas. "Como pode-se excluir que a vida não tenha se desenvolvido em outras partes?", perguntou Funes, que acrescentou que formas de vida podem existir inclusive sem oxigênio e hidrogênio. Questionado sobre se estava se referindo a seres similares aos homens ou mais evoluídos, o jesuíta argentino disse que "é possível" e que, "embora não tenhamos prova, em um universo tão grande não se pode excluir essa hipótese". "Da mesma forma que existem uma multiplicidade de criaturas na Terra, também poderia haver outros seres, inteligentes, criados por Deus. Isso não está em contradição com nossa fé, porque não podemos pôr limites à liberdade criadora de Deus", disse Funes. Parafraseando São Francisco, o religioso acrescentou que se chamamos as criaturas da Terra de "irmão" e "irmã", "por que não podemos falar de um 'irmão extraterrestre', já que faria parte da criação?". Já ao ser perguntado sobre se a redenção também serve para esses "irmãos extraterrestres", Funes afirmou que Jesus encarnou uma vez e que a encarnação é um evento único e não repetível e que tem certeza que essas eventuais seres também teriam a misericórdia de Deus.

Tudo o que sabemos sobre:
Papa Bento XVIVaticanoETs

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.