AFP PHOTO / Robyn Beck
AFP PHOTO / Robyn Beck

Marte mais brilhante e eclipse poderão ser vistos nesta sexta

Coincidência de fenômenos é pouco frequente; entenda como ocorrem

O Estado de S. Paulo

26 Julho 2018 | 03h00

Correções: 26/07/2018 | 19h24

Todo o Brasil poderá ver nesta sexta-feira, 27, o eclipse lunar total. Quanto mais próximo do litoral leste do País (costa leste do Nordeste, áreas próximas ao litoral do Sudeste e do Sul), maior será o tempo de visualização do fenômeno. Em São Paulo, terá duração de 1h49, começando às 17h41.

O eclipse total da lua, o mais longo do século 21, tingirá de vermelho o satélite da Terra nesta sexta-feira, enquanto que Marte, que se encontrará quase em seu ponto mais próximo do nosso planeta, estará especialmente brilhante.

"É uma coincidência de fenômenos pouco frequente e interessante", disse Pascal Descamps, astrônomo do Instituto de Mecânica Celeste e Cálculo de Efemérides (IMCCE) do Observatório de Paris. "A lua terá uma tonalidade avermelhada, e Marte estará ao seu lado muito brilhante, com uma tonalidade ligeiramente alaranjada", explica.

O espetáculo astronômico poderá ser visto a olho nu, sem nenhum perigo. Mas lentes e telescópios permitirão desfrutar ainda mais. O eclipse só será visível - parcial ou totalmente - em metade do mundo: África, Europa, Ásia, Austrália e na parte leste da América do Sul. Os melhores posicionados para assistir ao espetáculo serão os habitantes da África, do Oriente Médio e da Índia. 

Para que ocorra um eclipse da lua deve haver um alinhamento quase perfeito do sol, da Terra e da lua. Quando nosso planeta se posiciona entre o astro e a lua, projeta sua sombra sobre nosso satélite natural. /COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Correções
26/07/2018 | 19h24

Versão anterior desta matéria informava que o eclipse só seria visível na parte oeste da América do Sul. A informação correta é que o fenômeno só será visível na parte leste do continente. O material foi atualizado. 

Mais conteúdo sobre:
Marte astronomia eclipse

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.