Ecologistas criticam Ibama 6 meses após crime

Seis meses após o assassinato do ativista Dionísio Júlio Ribeiro Filho, ambientalistas da Reserva Biológica do Tinguá, na Baixada Fluminense, onde Ribeiro Filho trabalhava e morava, denunciam que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) não realizou nenhum investimento na região, como teria sido prometido na época do crime.Segundo eles, práticas ilegais, como a caça e a extração do palmito, continuam ocorrendo e só existem quatro fiscais para cuidar da reserva, que tem 26 mil hectares e abrange seis municípios.Os ambientalistas estão revoltados também porque, há menos de 15 dias, a direção do Ibama em Brasília determinou a transferência do agente florestal Márcio Castro das Mercês, que, junto com Júlio, foi um fundadores da reserva, em 1989.Castro afirma que a mudança teria sido decidida por medida de segurança, já que vinha sendo ameaçado. Mas ele é contra.?As ameaças são constantes, mas não me amedrontam. Eu perdi um companheiro (Júlio) nessa mesma trincheira e prefiro deixar o Ibama a abandonar a luta ambiental?, garantiu.Júlio foi assassinado na madrugada de 22 de fevereiro, quando voltava para casa, por uma trilha. Ele vinha sofrendo ameaças por denunciar a caça e a extração do palmito.Castro deve ser transferido para o Parque Nacional da Serra dos Órgãos, em Teresópolis, na Região Serrana.Revoltados, os ambientalistas acionaram a Justiça. Uma ação civil pública nos Ministérios Públicos Estadual de Nova Iguaçu e Federal, contra o Ibama e o Ministério do Meio Ambiente, foi impetrada porque diversas "promessas não foram cumpridas?, disse o ambientalista Sério Ricardo de Lima, da reserva.

Agencia Estado,

21 de agosto de 2005 | 14h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.