Egito lança três escavações em busca da tumba de Cleópatra

Templo na região de Alexandria pode conter os restos mortais da rainha e de seu amante Marco Antônio

Associated Press,

15 de abril de 2009 | 12h30

Arqueólogos iniciarão três escavações na próxima semana, na região do Mediterrâneo, em busca das tumbas dos amantes Cleópatra e Marcio Antônio.  

 

Em nota divulgada nesta quarta-feira, 15, o Conselho Supremo de Antiguidades do Egito informou que os três locais foram identificados no mês passado, durante uma pesquisa com radar no templo de Taposiris Magna.

 

O templo de Taposiris Magna, onde foram encontradas relíquias do reino de Cleópatra. EFE

 

O templo fica no Lago Mariut, hoje chamado de Abusir, perto da cidade de Alexandria, e foi construído durante o reino de Ptolomeu II (282-246 a.C.)..

 

Equipes do Egito e da República Dominicana vêm escavando o templo nos últimos três anos.

 

A famosa rainha e de seu amante, um general romano, cometeram suicídio depois de sofrerem uma derrota na batalha de Actium, em 31 a.C.. Desde então, especula-se sobre onde teriam sido sepultados.

 

As escavações descobriram diversos fossos profundos no templo, três dos quais foram, possivelmente, usados como sepulturas. Os responsáveis pela escavação acreditam que é possível que Cleópatra e Marco Antônio podem ter sido enterrados em um fosso semelhante aos já descobertos.

 

Duas das 22 moedas com a efígie da rainha, descobertas no local das escavações. EFE

 

Ano passado, arqueólogos no local haviam encontrado no local uma estátua de bronze da deusa Afrodite, a cabeça de alabastro de uma estátua de Cleópatra, uma máscara que, acredita-se, representa Marco Antônio, e uma estátua sem cabeça. Também foram achadas 22 moedas com a efígie de Cleópatra.

O chefe do Conselho de Antiguidades, Zahi Hawass, disse que tanto a estátua quanto as moedas desmentem as teorias de que a rainha era "feiosa".

 

Pesquisadores da Universidade de Newcastle, na Grã-Bretanha, haviam concluído, em 2007, que a rainha não era muito atraente. Eles chegaram a essa opinião depois de analisar uma moeda romana que mostrava Cleópatra com nariz pontudo, lábios finos e um queixo proeminente.

Tudo o que sabemos sobre:
cleópatraegitoarqueologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.