AFP PHOTO / Hector-Guerrero
AFP PHOTO / Hector-Guerrero

Elon Musk, da SpaceX, apresenta plano de colonização de Marte

Bilionário mostrou foguete gigante, acoplado a espaçonave; ele defendeu que será uma viagem possível nas próximas décadas, com uma jornada de apenas 80 dias

Giovana Girardi, O Estado de S. Paulo

27 Setembro 2016 | 20h46

Com um foguete gigante, acoplado a uma espaçonave maior ainda - que juntos alcançam 122 metros de altura e têm a capacidade de carregar 100 passageiros -, o bilionário Elon Musk pretende iniciar a colonização de Marte. 

Sonho distante? Não pelos planos mirabolantes do engenheiro empreendedor que criou o motor Tesla (para automóveis elétricos) e foi cofundador do PayPal. Em apresentação do modelo de veículo espacial, desenvolvido pela sua empresa SpaceX, ele defendeu que será uma viagem possível nas próximas décadas, com uma jornada de apenas 80 dias. E a partir dessa viagem será possível construir uma cidade autossustentável em Marte de 40 a 100 anos.

O plano foi apresentado nesta terça-feira, 27, durante o Congresso Astronáutico Internacional em Guadalajara (México). “Temos duas possibilidades para o futuro. Uma é ficarmos para sempre na Terra e, em algum momento, um evento de extinção vai ocorrer. Outra é que nos tornemos uma civilização multiplanetária”, disse, atiçando o público no início de sua apresentação.

No sonho de Musk, isso um dia será possível ao preço de uma casa mediana nos Estados Unidos - US$ 200 mil (cerca de R$ 650 mil na cotação atual). Mas, por enquanto, estamos falando de algo em torno de US$ 10 bilhões por pessoa.

Viabilizar essa “popularização” da viagem espacial, disse ele, é a razão pela qual junta dinheiro em suas múltiplos negócios tecnológicos (energia renovável, carro elétrico, transporte espacial). “Ao mostramos que isso é possível, que é um sonho real, acho que poderemos dar as condições para que se torne uma bola de neve com o passar do tempo. O principal motivo pelo qual eu acumulo recursos é para financiar isso”, disse.

Mas alertou que os primeiros a vencerem a jornada terão de estar preparados para morrer. “Quem deveriam ser as pessoas a carregar a luz da humanidade para Marte por todos nós?”, indagou alguém na plateia. “Acho que as primeiras viagens serão realmente perigosas. O risco de fatalidade será alto. Simplesmente não há maneira de contornar isso. Você está preparado para morrer? Se tudo bem para você isso, então você é um candidato”, respondeu Musk, para depois contemporizar. “Mas não se trata de quem chegará primeiro. O que importa é criar uma civilização autossustentável em Marte o mais rapidamente possível.”

Mais conteúdo sobre:
Marte Tesla México Terra Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.