REUTERS/Callaghan O'Hare
REUTERS/Callaghan O'Hare

Elon Musk revela novo foguete da SpaceX e espera vê-lo em Marte

Com 118 metros de altura em aço inoxidável, a Starship está sendo construída em um remoto vilarejo do Texas. Voos com humanos poderão ocorrer no próximo ano, prevê o bilionário

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2019 | 20h25

BOCA CHICA (TEXAS, ESTADOS UNIDOS) - O empresário bilionário Elon Musk revelou no sábado, 28, a mais nova peça da sua companhia espacial: o foguete Starship. A gigantesca estrutura de aço apresentada em Boca Chica, no Texas, reforça o veloz desenvolvimento no objetivo da SpaceX em levar humanos para a Lua e para Marte

Musk mostrou a uma plateia de entusiastas e repórteres, nas instalações de desenvolvimento da SpaceX no remoto vilarejo de Boca Chica, animações da Starship pousando na Lua e em Marte e previu que o primeiro voo orbital do foguete poderá ocorrer em seis meses, seguido por missões espaciais com humanos no próximo ano. 

“Esse é basicamente o Santo Graal do espaço”, disse Musk, “O avanço crítico necessário para nos tornarmos uma civilização espacial é fazermos viagens espaciais como fazemos viagens aéreas", disse Musk, que também é o diretor executivo da empresa de carros elétricos Tesla. 

Com 118 metros de altura, a Starship, um foguete brilhante desenhado para levar dúzias de humanos para a Lua e para Marte, está na metade de cima do sistema de colossais foguetes interplanetários de Musk. Em 2018, Musk elegeu o bilionário japonês Yusaku Maezawa como o primeiro passageiro privado da Starship. 

A missão de Musk para a Lua se alinha ao objetivo da Nasa de mandar pessoas para lá em 2024 sob o programa Artemis, uma iniciativa estimulada pela administração Trump. O governo americano planeja trabalhar junto a companhias do país para construir uma presença de longa duração na superfície lunar antes de enviar missões a Marte.

A Nasa esteve em contato com a SpaceX para descobrir como pousar veículos espaciais na superfície lunar e para desenvolver um sistema para reabastecimento de foguetes, como a Starship, no espaço, o que seria uma importante tecnologia para ajudar esforços de exploração na Lua e em Marte, disse a agência na semana passada. 

Dentro de alguns meses, segundo o The New York Times, o foguete será lançado em testes com altitude de 12 milhas para então retornar inteiro ao solo. “Será épico ver essa coisa decolar e voltar”, disse Musk. 

O desenvolvimento do foguete foi planejado para coincidir com o aniversário de 11 anos do primeiro lançamento bem sucedido da SpaceX. A empresa tem se estabelecido colocando satélites em órbita e levando carga  para a Estação Espacial Internacional. Mas se será possível alcançar o objetivo de chegar a Marte é algo que ainda se espera para ver.

Ao construir foguetes que podem ser reusados, lembra o The New York Times, os custos de ir ao espaço podem despencar. Para a Starship, Musk planejou usar uma fibra de carbono high-tech, mas trocou para aço inoxidável. É mais barato, mais fácil de manusear, se torna mais forte em temperaturas ultrafrias como as do espaço e tem uma alta temperatura de fusão que pode suportar com mais facilidade o aquecimento de uma reentrada na atmosfera terrestre.

O vilarejo de Boca Chica, a alguns quilômetros ao norte da fronteira mexicana, é o marco zero para o programa experimental de três anos da SpaceX com a Starship. Mas os testes dos motores do foguete têm deixado os moradores da localidade nervosos. “Acho que o verdadeiro perigo para Boca Chica é baixo, mas não é pequeno”, disse Musk. “Então, provavelmente depois de um tempo seria melhor comprar os vilarejos, e nós fizemos uma oferta nesse sentido.” 

Alguns moradores rejeitaram a oferta de compra não negociável feita pela SpaceX, que corresponde a três vezes os valores de mercado das casas. Um protótipo fez testes de lançamento no vilarejo duas vezes desde julho, mais recentemente tendo voado a uma altura de 152 metros e pousado numa área de concreto./COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.