Divulgação/Nasa
Divulgação/Nasa

Em experimento, astronauta fica sem trocar cueca por 1 mês

Objetivo foi testar vestimenta antibacteriana e inodora; segundo o astronauta, nenhum colega reclamou

Associated Press,

30 de julho de 2009 | 19h45

No que poderia embaraçar espíritos menos audazes, o astronauta japonês Koichi Wakata está voltando à Terra com uma cueca experimental que usou ininterruptamente por um mês. Cientistas agora vão examiná-la. A peça de roupa foi projetada no Japão para se manter inodora.

 

O astronauta descreveu sua roupa de baixo experimental nesta quinta-feira, 30, a bordo do ônibus espacial Endeavour, que deve pousar na Terra na manhã desta sexta. Wakata ficou mais de quatro meses no espaço.

 

"Não falei sobre minha roupa de baixo com o restante da tripulação", disse ele, tirando risos dos outros seis astronautas a bordo do ônibus espacial. "Mas eu a usei por cerca de um mês, e meus colegas da estação (a Estação Espacial Internacional) não reclamaram o mês inteiro, então, acho que a experiência foi bem".

 

A roupa de baixo japonesa, chamada J-Wear, é um novo tipo de vestimenta antibacterial, eliminadora de odores e absorvente de umidade projetada para uso no espaço. A linha inclui camisas, calças e meias, também. Wakata testou todas as opções.

 

J-Wear também é projetada para não acumular eletricidade estática e retardar a propagação de fogo, o que é especialmente importante para algo a ser usado no espaço.

 

O gerente do programa da Estação Espacial na Nasa, Mike Suffredini, destacou a importância de testar novos produtos no espaço, principalmente os voltados para o conforto dos astronautas. Não é possível lavar roubas em órbita: os astronautas simplesmente jogam as roupas sujas no lixo, que depois é incinerado na atmosfera terrestre.

 

"Mas um dia faremos exploração. Iremos à Lua. Iremos para além da Lua algum dia, e coisinhas assim parecerão muito grandes quando estivermos longe da Mãe Terra", disse Suffredini.

Tudo o que sabemos sobre:
estação espacialnasajaxaastronauta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.