NASA/AFP
NASA/AFP

Em fenômeno raro, Mercúrio passará entre a Terra e o Sol

Trajetória do menor planeta do Sistema Solar poderá ser vista da América Latina na segunda-feira com instrumentos astronômicos

O Estado de S. Paulo

06 Maio 2016 | 07h00

Mercúrio, o menor planeta do Sistema Solar, passará na próxima segunda-feira, 9, entre a Terra e o Sol, um fenômeno raro que será visível em grande parte do mundo  - incluindo a América Latina. 

Durante várias horas, será possível seguir o trajeto de Mercúrio, que aparecerá como um pequeno disco negro deslocando-se à frente do astro. Para poder ver este espetáculo, é preciso contar com instrumentos astronômicos.

O fenômeno começará às 11h12 GMT (8h12, no horário de Brasília) e terminará às 18h42 GMT (15h42, no horário de Brasília). A hora poderá variar ligeiramente dependendo do lugar.

Visualmente, "Mercúrio dará a impressão de morder uma das bordas do Sol, depois o atravessará muito lentamente antes de sair pelo outro lado", explicou Pascal Descamps, um astrônomo do Observatório de Paris.

O fenômeno, que durará sete horas e meia, é "raro porque exige um alinhamento quase perfeito do Sol, Mercúrio e a Terra", destaca.

Ainda pouco explorado, o misterioso Mercúrio é o planeta mais próximo do Sol e se encontra a uma distância média de 58 milhões de quilômetros do astro.

Muito pequeno (seu diâmetro é de 4.780 quilômetros), dá a volta ao redor do Sol em 88 dias. Passa a cada 116 dias entre a Terra e nossa estrela. Mas, por causa da inclinação de sua órbita ao redor do astro em relação à órbita terrestre, nos parece que se encontra ou por cima ou por baixo do Sol na maior parte do tempo.

Por isso, o trânsito de Mercúrio à frente do Sol é pouco frequente: há 13 ou 14 a cada século.

O último ocorreu há dez anos. Os próximos acontecerão em novembro de 2019, novembro de 2032 e maio de 2049.

O oeste e o norte da Europa, o oeste da África do Norte, a África Ocidental, o Canadá, o leste da América do Norte e grande parte da América Latina serão as melhores áreas para ver o trânsito de Mercúrio, se as condições meteorológicas estiverem favoráveis.

Entretanto, é preciso seguir recomendações de segurança, pois observar o Sol diretamente sem medidas de proteção pode provocar lesões oculares irremediáveis.

Os óculos especiais para ver eclipses não servirão, pois o planeta é muito pequeno.

"É necessário um instrumento astronômico para aumentar a imagem do Sol", explicou Pascal Descamps. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.