Em Jerusalém, Bento XVI defende diálogo por justiça e paz

Papa visitou o Muro das Lamentações e ressaltou a importância da região para católicos, judeus e muçulmanos

Efe,

12 de maio de 2009 | 05h10

Papa Bento XVI visita o Muro das Lamentações, em Jerusalém, durante sua visita à região. Foto: Reuters

 

No segundo dia de sua visita ao Oriente Médio o papa Bento XVI visitou o Muro das Lamentações, a esplanada das Mesquitas de Jerusalém e se reuniu com Mohammed Ahmad Hussein, autoridade máxima da religião muçulmana. Bento XVI defendeu um "diálogo sincero para construir um mundo de justiça e paz para as próximas gerações".

 

Veja também:

linkEm Israel, Bento XVI pede a criação de um Estado palestino

 

"Em um mundo tristemente lacerado por divisões, este local sagrado estimula e desafia os homens e mulheres de boa vontade a se comprometer para superar as incompreensões e conflitos do passado e iniciar o caminho de um diálogo sincero para construir um mundo de justiça e de paz para as próximas gerações", afirmou.

 

Bento XVI ressaltou que a região traz à mente a figura do patriarca Abraão, considerado pai das três religiões, e que é no Oriente Médio onde se encontram as três grandes religiões monoteístas. Por isso, o papa considerou que as três religiões têm de trabalhar unidas "para desempenhar um papel ativo em reduzir as divisões e promover a solidariedade humana".

 

 

 

"Vim a Jerusalém em uma peregrinação de fé. Agradeço a Deus por essa oportunidade que recebi para me reunir com vocês como bispo de Roma e sucessor do apóstolo Pedro, e também como filho de Abraão. Asseguro a todos que a Igreja deseja muito cooperar pelo bem-estar da família humana", acrescentou.

 

A Cúpula da Rocha, também chamada de mesquita de Omar e famosa por sua cúpula dourada, se encontra na Esplanada das Mesquitas. Nesse local também está a Mesquita de al-Aqsa, que é a terceira mais importante para os muçulmanos, após Meca e Medina.

 

A Esplanada das Mesquitas é considerada três vezes sagrada. Os muçulmanos consideram que a Rocha é o lugar pelo qual Maomé subiu ao céu. Os judeus a consideram o lugar onde Deus pediu a Abraão que sacrificasse seu filho Isaac, é o lugar do templo de Salomón e onde se depositou o Arca da Aliança. Para os cristãos, é o lugar da profecia de Cristo sobre a destruição do templo de Jerusalém.

 

A Cúpula da Rocha é o monumento islâmico mais antigo na Terra Santa, e os muçulmanos consideram a Mesquita de al-Aqsa o terceiro lugar de peregrinação, após Meca e Medina.

Tudo o que sabemos sobre:
Bento XVIpapaIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.