Embaixador na Alemanha condena críticas a proposta de Bush

William Timken disse que comentários comentários foram injustificados e inúteis

AP

18 de abril de 2008 | 16h14

O embaixador americano na Alemanha disse nesta sexta-feira, 18, rejeitar as críticas do ministro do Meio Ambiente alemão às propostas para a mudança climática feitas por George W. Bush, argumentando que os comentários foram injustificados e inúteis. Bush fez um discurso na quarta-feira, 16, dizendo que os Estados Unidos devem parar o crescimento em suas emissões de gases estufa até 2025 - foi a primeira vez que o país determinou uma data específica para a redução da poluição. Entretanto, isso não surtiu efeito internacionalmente, onde Bush tem sido criticado há muito tempo por sua abordagem do problema de aquecimento global. O ministro do Meio Ambiente alemão, Sigmar Gabriel, disse em uma declaração quinta-feira, 17, que Bush "com suas propostas, está ficando, cada vez mais, para trás em relação aos problemas", e que seu discurso "não fez justiça ao desafio global." "Seu discurso acompanha o mote: 'derrotança no lugar de liderança'", disse. "Estamos felizes que haja vozes dissonantes nos Estados Unidos."  O embaixador William Timken respondeu que "a crítica de Gabriel à proposta do presidente é injustificada, não ajuda em nada e não contribui positivamente aos esforços da comunidade internacional para chegar a um consenso sobre como efetivamente reduzir as emissões de gases estufa." "Nós também não acreditamos que os xingamentos do ministro tenham espaço em fortes e produtivas relações entre os Estados Unidos e a Alemanha", disse Timken em uma declaração. Bush disse estar pronto para se comprometer com um acordo internacional de redução a longo prazo contanto que outros países que poluem, como a China, façam o mesmo. "O presidente Bush está trabalhando para estabelecer metas agressivas mas realistas para o corte de emissões", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
bushaquecimento globalefeito estufa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.