Embrapa anuncia nascimento de duas bezerras clonadas

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) anunciou nesta manhã o nascimento de dois novos clones bovinos da raça junqueira. De acordo com a Embrapa, o nascimento dos clones pode representar uma chance de salvação para esta raça no Brasil, que hoje se encontra em estado crítico de extinção, com menos de 100 animais em todo o País. Porã e Potira, como são chamadas as novas bezerrinhas, são clones de uma mesma fêmea bovina da raça junqueira, que faz parte do Programa de Conservação e Uso de Recursos Genéticos Animais da Embrapa. As duas bezerrinhas são filhas de uma única vaca doadora, que está sendo conservada no Campo Experimental Sucupira, de propriedade da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Cenargen), em Brasília. Porã nasceu no dia 10 de abril, pesando 25 quilos, depois de um período de 292 dias de gestação. Potira nasceu no dia 24 de abril com 29 quilos e 290 dias de gestação. As duas foram clonadas a partir de um pedaço da orelha da vaca doadora, quando ela tinha 9 anos de idade. De acordo com a Embrapa, as duas nasceram de parto normal, saudáveis e estão sendo monitoradas desde a gestação e nascimento por veterinários da empresa. O objetivo é avaliar aspectos comportamentais, genéticos e de desenvolvimento e também aspectos clínicos. Os veterinários da Embrapa foram auxiliados no trabalho por uma equipe da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Brasília (UnB). A empresa Genomax realizou os testes de DNA, os quais comprovam que o perfil genético das bezerrinhas é igual ao da vaca doadora e diferente dos perfis das mães de aluguel. O Cenargen foi o responsável pelo nascimento do primeiro clone bovino da América Latina. A fêmea bovina da raça simental "Vitória da Embrapa", em 2001, e da bezerra "Lenda da Embrapa", em 2003, que foi clonada a partir de células de uma vaca já morta. Para o pesquisador da Embrapa, Rodolfo Rumpf, o nascimento das bezerrinhas teve um gosto especial, pois comprova a possibilidade de regeneração de raças ameaçadas de extinção. "O principal motivo da inclusão da clonagem por transferência nuclear no nosso programa de pesquisa se deve exatamente ao fato de ser uma tecnologia potencialmente importante para os programas de conservação e melhoramento genético animal", afirmou. "Mais perguntas do que respostas"De acordo com a Embrapa, foram transferidos 42 embriões para 35 vacas de aluguel, resultando em dois nascimentos. "Embora neste assunto (clonagem) continue existindo mais perguntas do que respostas, a perfeita saúde demonstrada pelas bezerras até o momento proporcionam otimismo necessário para continuidade das pesquisas", afirmou Rumpf.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.