Embrapa estuda impacto do feijão transgênico

Começou o primeiro estudo sobre os impactos ambientais do plantio de um produto transgênico no País. Desde o começo da semana, em uma área de 100 metros quadrados num campo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Arroz e Feijão, em Santo Antônio de Goiás (GO), pesquisadores estão plantando o feijão transgênico resistente ao vírus do mosaico dourado.É uma exigência do Ibama para autorizar o seu cultivo em larga escala, e pode ter a força de um veredicto para eliminar restrições aos organismos geneticamente modificados (OGMs).O campo experimental foi devidamente delimitado para permitir que não haja contato entre o feijão transgênico e outras plantas. Um cinturão de milho ajudará a distanciá-lo de outros cultivos.ComparaçãoJá há estudos que permitem definir se um transgênico é seguro para servir de alimento à população - grupos ambientalistas se opõem a esses produtos. Mas não se sabe cientificamente se plantar um OGM pode provocar riscos ao ambiente."Equipes vão estudar impactos e desenvolver protocolos para definir a segurança dos transgênicos no ambiente", disse Norma Gouvêa Rumjanek, da Embrapa Agrobiologia. Isso implica verificar se na terra onde é cultivado o feijão transgênico insetos e microorganismos sofrem alteração.Será um estudo comparativo, já que as amostras do feijão transgênico e seus efeitos no solo e na fauna serão comparados com os efeitos de porções do produto orgânico. Daqui a 20 dias, haverá nova coleta de dados - os primeiros resultados sairão em seis meses.

Agencia Estado,

06 de maio de 2004 | 13h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.