Empresa de turismo espacial quer reservar uma Soyuz inteira

Sergey Brin, co-fundador do Google, fez um investimento de US$5 mi e deve ocupar próximo vôo da Soyuz

The New York Times

11 de junho de 2008 | 17h15

A Space Adventures, companhia do estado norte-americano de Virginia que vende passagens para turistas ricos irem a bordo dos foguetes russos Soyuz para a Estação Espacial Internacional (ISS), planeja comprar um vôo Soyuz inteiro em 2011, com a opção de comprar ainda mais.  Um novo investidor deve ocupar um dos dois assentos disponíveis no vôo de 2011 da Space Adventures: Sergey Brin, co-fundador do Google. Ele fez um investimento de US$5 milhões (R$ 8.2 milhões) na companhia, que vai servir como depósito em um vôo futuro.  "Eu acredito muito na exploração e desenvolvimento comercial da fronteira espacial, e espero com ansiedade a possibilidade de ir ao espaço", disse Brin, que é presidente de tecnologia no Google. Sua companhia é a patrocinadora do Prêmio Lunar Google X, uma competição de US$ 25 milhões (R$ 42 milhões) para aterrissar uma nave sem astronautas na Lua.  A Space Adventures, única companhia que leva turistas ao espaço, já levou cinco até agora. No entanto, sua capacidade de seguir proporcionando essas experiências orbitais tem sido objeto de especulação. Em abril, Vitaly Lopota, presidente da Energia, companhia russa de naves espaciais, disse não ser fã do turismo espacial e que seu país apenas levava astronautas privados para suprir problemas financeiros.  "Nós construímos a ISS não para os turistas espaciais, mas para servir às necessidades das pessoas da Terra", disse. Anatoly Perminov, líder da Agência Espacial Russa, disse repetidas vezes que os assentos para turistas poderiam desaparecer em 2010, quando o tamanho da equipe da estação vai se expandir de três para seis pessoas. A Space Adventures tem assentos reservados para vôos para a ISS em outubro desse ano e abril de 2009. Clientes pagaram de US$ 20 (R$ 33) a 40 milhões (R$ 66 milhões) por suas viagens. A companhia não informou quanto vai custar o vôo particular.  No passado, o espaço da Space Adventures era um assento nos vôos da Soyuz que, de outro modo, permaneceria vago. Para a missão Soyuz privada, a Space Adventures vai agendar dois assentos do total de três do foguete, com um comandante russo ficando no outro. A missão vai ser marcada de maneira a não interferir com os vôos oficiais de astronautas, disse a empresa. Mais importante, disse Tom Jones, que era astronauta e agora é consultor da companhia, é que os passageiros vão ter mais controle sobre seu vôo e não vão simplesmente pegar carona em um vôo patrocinado pelo governo. Eles poderão, por exemplo, ter mais liberdade para conduzir seus próprios experimentos.  "Do ponto de vista do passageiro, você não seria um fardo no vôo para a ISS", disse. "É um passo em direção a uma indústria de vôos espaciais mais madura." Eric Anderson, chefe executivo da Space Adventures, disse que o acordo significa "que nós nos tornamos uma companhia de missões espaciais, não simplesmente vendedores de assentos." Missões futuras poderiam levar turistas para outros destinos como estações espaciais privadas, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.