Empresário denuncia desmatamento em Cabo Frio

O empresário e ambientalista Ernesto Galiotto denunciou ontem o desmatamento de uma área de 400 mil metros quadrados do Parque Municipal do Mico-Leão-Dourado, em Cabo Frio, na Região dos Lagos. A área teria sido devastada para a construção de um loteamento. O empresário gaúcho, dono de uma vinícola, tem uma reserva florestal particular vizinha à área devastada. A prefeitura de Cabo Frio não tinha informação sobre a derrubada das árvores. Galiotto tirou fotos aéreas do desmatamento e entra na segunda-feira com uma ação popular, pedindo a interrupção das obras.Segundo o ambientalista, a área desmatada faz parte de um corredor verde que segue até a Reserva Ambiental de Poço das Antas, em Silva Jardim, responsável pela preservação das últimas espécies de mico-leão-dourado. "Sem essas árvores, os micos ficarão isolados, não terão como se locomover", afirma Galiotto, que vive há 30 anos em Cabo Frio.O ambientalista disse que cinco tratores começaram o desmatamento no sábado de carnaval. Os operários trabalharam até a madrugada da quarta-feira de Cinzas, derrubando árvores e abrindo ruas. A intenção da construtora é erguer ali um loteamento popular. "Primeiro eles desmatam uma grande área, depois retiram a madeira mais nobre e aí, por coincidência, acontece um incêndio acidental. Já vi isso acontecer muitas vezes por aqui", diz Galiotto. "Alguma coisa precisa ser feita rapidamente".Galiotto está preparando um dossiê para encaminhar ao Ministério Público. Ele colheu depoimento dos moradores da região, que vai unir às fotografias aéreas já tiradas. Para o ambientalista, a prefeitura deveria desapropriar a área. "Tenho informação de que o dono é um só. Esse é o último resquício de Mata Atlântica da região, eles têm que preservar essa área", disse. O promotor dos Direitos Difusos da Região dos Lagos, Luciano Mattos, disse que vai aguardar a documentação de Galiotto. Ele deve abrir um inquérito civil para apurar se houve dano ambiental, e se o loteamento tem autorização para ser construído. "O parque ainda não foi demarcado, mas tem uma demarcação natural, e deve ser preservado", disse Mattos. A assessoria de imprensa da prefeitura de Cabo Frio informou que não sabia do desmatamento e vai apurar o que aconteceu.

Agencia Estado,

14 de fevereiro de 2002 | 18h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.