Entrega do texto final da Rio+20 é adiada após intensas negociações

Países e ONGs atacam pressão brasileira para fechar documento final antes de cúpula

Herton Escobar e Giovana Girardi, enviados especiais ao Rio,

18 Junho 2012 | 22h30

Atualizado às 7h02

 

RIO - Foi adiada para a manhã desta terça-feira, 19, a entrega do documento da Rio+20. Às 2h20 desta madrugada, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, informou aos delegados dos países que o novo rascunho, após a entrega, passará por avaliação em plenária às 10h30. A União Europeia é a delegação mais descontente com o desenrolar das negociações. As informações são da Rádio CBN.

 

A pressão do Brasil para tentar fechar o documento da Rio+20 antes da reunião de chefes de Estado, que começa amanhã, causou uma enorme insatisfação entre países da União Europeia. Após intensas negociações e a convocação, já no início desta madrugada, de uma plenária que supostamente votaria o texto final da conferência, o mais alto comissário europeu sobre os temas em discussão se mostrou atordoado com o ritmo do processo comandado pelo Brasil.

 

À imprensa que aguardava na frente do auditório, ele disse que sequer sabia para que tinha sido convocada a plenária. "Não queremos colocar prazo final nas negociações. Vamos discutir o quanto for necessário para ter um texto melhor. Nossa prioridade não é tempo, é conteúdo", disse Janez Potocnik, comissário europeu para o meio ambiente.

 

A proposta alternativa seria manter o texto em aberto para ser debatido na cúpula de alto nível, com o envolvimento de ministros e chefes Estado. Mais cedo, uma representante da delegação havia explicado o tamanho do problema. "Estamos bastante frustrados com a falta de ambição e de progresso no documento. Mas não desistimos, vamos continuar forçando para ter algo mais concreto", disse ao Estado. "Ouvimos outros grupos, entre eles a sociedade civil, e a impressão que temos é que há um grande distanciamento entre o que o mundo quer e o que o documento está mostrando."

 

Queixas. Os europeus se ressentem principalmente da falta de objetivos e metas que eles pedem desde o começo das negociações em áreas como energia, água e eficiência no uso dos recursos. Os temas, dizem os delegados, até aparecem no texto, mas não há objetivos concretos. "Fala-se em energia sustentável para todos, mas como, quando?", questionou a representante europeia. Mesmo que não seja possível colocar agora números sobre metas específicas, segundo ela, o documento deveria trazer, ao menos, um direcionamento mais específico sobre elas.

 

No caso dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), por exemplo, o texto lança um processo de negociação sobre eles, mas não faz referência a nenhum tema específico que deverá ser tratado. O Brasil, porém, estava esperançoso. "Estamos absolutamente certos de que o documento será fechado hoje (ontem) à noite", dizia o embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, chefe da delegação brasileira, em entrevista no fim da tarde.

 

Com relação ao desejo dos europeus de estender a discussão, comentou: "O que disse para nossos colegas é que, se compararmos a um jogo de futebol, o tempo regulamentar (das negociações) terminou com o fim do comitê preparatório (reuniões que ocorreram entre os dias 13 e 16). Agora estamos na prorrogação e ela nunca tem um tempo mais longo que o jogo propriamente dito. Há um limite de tempo, temos de fechar o texto antes da chegada dos chefes de Estado."

 

Ambição. Ambientalistas também criticaram a postura brasileira. "Os ministros não vêm aqui para beber caipirinha e sentar na praia; eles vêm aqui para solucionar problemas e elevar o nível de ambição da conferência", disse a coordenadora de Políticas Climáticas do Greenpeace, Tove Maria Ryding. "Esse texto é pior do que poderíamos imaginar. Essa é a hora de o Brasil mostrar liderança, reintroduzir ambição no texto e dar aos ministros uma chance de discuti-lo", afirmou Tove.

 

Cerca de cem chefes de Estado são esperados para a cúpula de alto nível, que começa amanhã e termina na sexta-feira, encerrando a Rio+20. Rubens Born, da ONG Vitae Civilis, também criticou o que chamou de "tentativa desesperada" dos diplomatas brasileiros de finalizar o documento antes disso.

 

O texto em questão foi apresentado pela diplomacia brasileira no sábado, como uma tentativa de conciliar posições e acelerar as negociações, que vinham em ritmo lento até então. Ao buscar esse consenso, porém, acabou retirando ou reduzindo a ambição de vários pontos de conflito que eram considerados essenciais para um resultado forte da conferência, especialmente em questões relacionadas ao comprometimento econômico e político dos países ricos com o desenvolvimento sustentável do planeta. "O que vai pegar é quem vai pagar a conta", resumiu ao [BOLD]Estado [/BOLD]um diplomata brasileiro. O texto fala sobre uma série de compromissos, mas não estipula nenhuma obrigação ou prazo específico para resolvê-los.

 

Em coletiva à imprensa, representantes da ONU afirmaram que, também para a organização, a aprovação do texto brasileiro seria um resultado forte. "O documento representa um passo de mudança para o desenvolvimento sustentável", disse Nikhil Seth, chefe do escritório do secretariado da Rio+20. As decisões da Organização das Nações Unidas têm de ser tomadas por consenso, com a anuência dos 193 países-membros envolvidos na negociação. "Na tradição da ONU, dizemos que um consenso em que todo mundo está igualmente infeliz é um bom consenso. É o denominador comum. No início, grupos tinham mais ambições, posições mais extremas, mas depois todo mundo tem de ceder", disse Nikhil Chandavarkar, chefe de comunicação da conferência. (Colaborou Lourival Sanat'anna)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.