Equipe de cientistas traçará o mapa do terreno antártico

O projeto, de quatro anos, se chama Icecap e pretende analisar a composição e densidade do terreno

Efe

27 de outubro de 2008 | 22h00

Uma equipe de cientistas de diversas nacionalidades traçará pela primeira vez em detalhes o mapa do terreno do leste da Antártica, coberto por uma densa camada de gelo, em um projeto financiado por britânicos, australianos e americanos. O projeto, de quatro anos de duração, leva o nome de Icecap (sigla em inglês de Investigação da Evolução da Criosfera da Paleta Central da Antártica) e pretende analisar a composição e densidade do terreno do continente. Estima-se que o leste antártico tenha a camada de gelo mais profunda, de uma densidade de cinco quilômetros, e os especialistas utilizarão radares especiais para esta investigação. O projeto será financiado pelo Conselho de Pesquisa do Ambiente Natural do Reino Unido, pela Divisão Antártica Australiana, pela Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos e pela Universidade do Texas (Estados Unidos). Os resultados deste trabalho, cujo custo está estimado em aproximadamente três milhões de libras (cerca de 3,7 milhões de euros), ajudarão os cientistas a entender como o clima mudou durante milhares de anos e prever futuras mudanças no nível dos mares. Os especialistas viajarão ao leste da Antártida em um avião DC-3 equipado especialmente para este trabalho que será feito durante três verões antárticos, começando em dezembro. O professor Martin Siegert, da Universidade de Edimburgo, disse que isto "ajudará a entender o comportamento da maior camada de gelo da Terra". Ele disse que os dados reunidos "deveriam fornecer (...) mais detalhes sobre as causas das mudanças climáticas", sobre os motivos que levam a uma maior "perda de gelo das geleiras neste momento e nos dará pistas sobre o que pode ocorrer nas próximas décadas". Isso "nos permitirá ver pela primeira vez a forma do gelo, o terreno e os lagos que estão debaixo e nos ajudar a planejar futuras investigações", disse Siegert.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.