Equipe de Obama apoia lei contra emissões de CO2

Conselheiros dizem que lei reduziria catástrofes e dependência de petróleo estrangeiro e criaria empregos

AP,

22 de abril de 2009 | 15h25

Altos conselheiros ambientais do presidente Barack Obama expressaram apoio à lei democrata proposta no Congresso para conter a mudança climática, enquanto o principal responsável pela medida negou que a diminuição da emissão dos gases estufa possa provocar problemas para a economia.

 

Veja também:

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

linkAgência ambiental dos EUA decide que CO2 é perigo à saúde

linkGoverno Obama estuda opções radicais contra o efeito estufa

linkSó guarda-sol no espaço reverte efeito estufa até 2050

link Agricultura pode ajudar no clima

link Efeitos do aquecimento global durarão mais de 1.000 anos

 

"Eles argumentam que há um conflito fundamental entre crescimento econômico e energia limpa. Essa é uma escolha falsa", disse o democrata Henry Waxman ao abrir uma audiência sobre seu projeto de lei.

 

Waxman disse que o aquecimento global e o futuro econômico da nação são fatores "intimamente ligados" e que resolver a mudança climática vai produzir novos "empregos verdes" e impulsionar o crescimento econômico do país.

 

Altos funcionários apoiaram a lei de Waxman, embora tenham alertado que a Casa Branca irá trabalhar com os democratas para afinar o texto nas próximas semanas. Republicanos criticaram duramente a medida, que chamaram que enorme imposto de energia, porque tributaria as emissões de carbono causadas pela queima de combustíveis fósseis.

 

A administradora da Agência de Proteção ao Meio Ambiente (EPA), Lisa Jackson, disse que a lei "criaria bons empregos americanos que não podem ser levados para outros países", e, como Waxman, ela rejeitou qualquer conflito entre a luta contra a mudança climática e o crescimento econômico.

 

"A multidão do 'não, não podemos' vai criar cenários terríveis sobre os custos crescentes", disse Jackson. Ela disse que uma análise preliminar do EPA da lei, no entanto, incluindo seu programa de troca de créditos de carbono, "seria modesta comparada aos benefícios que a ciência e o senso comum nos dizem que uma política energética de combate ao aquecimento global vá entregar."

 

Jackson se juntou à audiência do Comitê de Energia e Comércio com o secretário de Energia, Steven Chu e com o secretário de Transporte, Ray LaHood. Os três disseram que a lei reduziria a dependência de petróleo estrangeiro, criaria empregos e reduziria catástrofes.

 

Os três funcionários, no entanto, não deram detalhes sobre se as "permissões" que as indústrias deverão ter para cada tonelada de poluentes despejada na atmosfera serão entregues gratuitamente a algum grupo específico. Um projeto de lei em tramitação pela Câmara dos Representantes dos EUA não aborda o assunto.

 

"Uma vez que há silêncio sobre o tema, o governo tem alguma ideia de quantas permissões serão concedidas gratuitamente a grupos industriais, a consumidores?", perguntou o deputado republicano Steve Scalise durante audiência da Comissão de Energia e Comércio da Câmara.

 

Lisa Jackson disse que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prefere que todas as permissões sejam leiloadas, mas sugeriu que pode haver alguma flexibilidade com relação a essa postura.

 

Mais cedo, Steven Chu descreveu o plano de redução das emissões de poluentes por meio de um sistema de permissões como "um repasse de custos", com parte dos pagamentos feitos por agentes poluidores sendo reciclados nas mãos dos consumidores "e dos setores de energia, que seriam os mais adversamente afetados".

 

"É uma questão a se entrar em detalhes", disse o secretário LaHood a jornalistas depois de seu depoimento. Ele recusou-se a falar em propostas em nome do governo Obama. "Deixaremos eles legislarem", esquivou-se.

 

Os republicanos têm sido muito críticos à lei devido ao medo de que ela eleve os preços do combustível. "É interessante que tantas pessoas estejam determinadas a aumentar os preços dos combustíveis nesse país", disse Joe Barton.

 

O rascunho da lei pretende reduzir a emissão de gases estufa em 20% dos níveis de 2005 até 2020, e em 83% até metade do século. Ele também inclui medidas para a redução do uso de energia fóssil.

 

Líder

 

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que seu país deve liderar na questão de energias renováveis, e pressionou o Congresso a estabelecer limites para as emissões de gases do efeito estufa, o que seria crucial para as atuais negociações climáticas globais.

 

"É hora para lançarmos as fundações para o crescimento econômico ao iniciarmos uma nova era de exploração da energia na América", disse Obama a funcionários de uma fábrica de equipamentos para energia eólica em Iowa.

 

"A nação que liderar o mundo na criação de novas fontes energéticas será a nação que irá liderar a economia global do século 21. A América pode ser essa nação. A América tem de ser essa nação", afirmou.

 

"Não haverá um novo acordo global se os Estados Unidos não forem parte dele, e não seremos parte dele se não estivermos no caminho de adotar nosso próprio plano doméstico", disse o negociador climático norte-americano Todd Stern à Comissão de Relações Exteriores do Senado.

 

"Caso não adotemos uma legislação climática e energética nacional forte, compulsória, o esforço para negociar o novo acordo internacional ficará aquém (do desejável)", afirmou.

 

Energia eólica

 

O Departamento do Interior dos EUA anunciou um programa de garantia de arrendamentos, facilidades e direitos de passagem para estimular o desenvolvimento de campos de energia eólica offshore. O programa também coloca em prática métodos de compartilhamento de receitas de projetos de energia renovável offshore entre Estados litorâneos.

 

"Neste Dia da Terra, é hora de nós lançarmos uma nova base para o crescimento econômico dando início a uma nova era de exploração de energia nas Américas", disse o presidente Barack Obama, de acordo com discurso a ser feito em Newton, Iowa, para onde viajou para comemorar o Dia da Terra e visitar uma usina que agora fabrica torres para a produção de energia eólica.

 

Obama e congressistas democratas consideram a energia eólica e outras fontes renováveis uma alternativa às usinas de energia que utilizam combustíveis fósseis. Os EUA não possuem atualmente campos de energia eólica offshore e os poucos projetos nesse sentido enfrentam às vezes forte oposição dos moradores locais.

 

"É apropriado que no Dia da Terra o presidente Obama esteja dando passos ousados para abrir os mares dos EUA a uma nova fronteira de energia, de forma que possamos construir uma economia de energia limpa que irá criar milhões de novos empregos em todo o país", disse o secretário do Interior, Ken Salazar, em comunicado.

 

Com AE-Dow Jones e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.