<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Equipe produz o mais sensível detector de sons

Cientistas holandeses conseguiram reproduzir a terminação capilar dos grilos, que é considerada o detector de sons mais sensível da natureza.Segundo os cientistas da Universidade de Twente, na Holanda, a lanugem criada em laboratório, além de decifrar a maneira como os grilos percebem o que está a seu redor, poderá ser usada no desenvolvimento de aparelhos para pessoas surdas."Esses sensores são o primeiro passo para uma variedade de importantes aplicações", disse Marcel Dijkstra, membro da equipe, à Journal of Micromechanics and Microengineering.As terminações capilares detectam oscilações muito pequenas nas correntes de ar causadas pelas asas de uma vespa ou pelo ataque de uma aranha."O tamanho pequeno e o ínfimo consumo de energia fazem com que esses sensores sejam excelentes para aplicações em grandes redes sensoriais. Poderíamos utilizá-los para visualizar o fluxo de ar em superfícies, como a fuselagem de um avião", afirmou Dijkstra.Os cientistas disseram que no futuro as estruturas podem servir de plataforma para a fabricação de terminações capilares que operem em fluidos, como os do ouvido interno dos mamíferos.

Agencia Estado,

21 de junho de 2005 | 09h54

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 8,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 18,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
20, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.