‘Erro não comprometeu os resultados’, diz pesquisador da Fapesp

Acusado de plágio ao apresentar um projeto para uma bolsa de pós-doutorado na instituição, professor da Unifesp se justifica

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

07 Outubro 2014 | 23h31

O pesquisador Javier Amadeo, atualmente professor da Unifesp, foi acusado de plágio em um projeto de pesquisa apresentado à Fapesp para solicitar bolsa de pós-doutorado, em 2007. Ele teria reproduzido sem aspas cerca de 30 linhas do livro As Revoluções do Poder, de Eunice Ostrensky. Amadeo recebeu a bolsa entre abril de 2008 e março de 2010.

Ele argumenta que o caso se resumiu a um erro de citação. “Foi um erro que não comprometeu os resultados da pesquisa, como a própria Fapesp reconheceu quando aprovou os relatórios científicos. Essa alegação nunca foi respondida”, disse. Segundo ele, o sumário publicado pela Fapesp toma por base informações parciais, elaboradas por quem tomou a decisão. “Discordo que tenha ocorrido a violação de boas práticas e ainda que devam ser tornadas públicas dessa maneira (as ações), já que se trata de um projeto interno”, afirmou.

O pesquisador declarou que não considera a decisão justa e solicitou uma revisão, que teria sido negada sem justificativa. “Não tive acesso à ampla defesa. Nunca tive acesso ao processo nem à denuncia, anônima.”

Amadeo criticou a iniciativa de expor os sumários dos casos. O pesquisador afirmou que o caso teve impacto importante em sua vida pessoal e profissional. “Buscarei fundamentos legais para preservar meus direitos ao ver publicadas informações parciais dessa maneira.”

Outros analisados. Cláudio Airoldi não quis fazer comentários. Antonio Balloni não respondeu à reportagem até as 21 horas. Os pesquisadores Andreimar Soares e Flávio Vilela não foram localizados. De acordo com o ex-supervisor da pesquisa de Vilela, Francisco Rennó, o pesquisador se afastou da carreira acadêmica após o caso.

Mais conteúdo sobre:
FapespUnifespplágio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.