Esclerose múltipla pode ter novo tratamento até 2006

A empresa de biotecnologia Serono afirma ter identificado 80 genes ligados às vias inflamatórias e neuro-degenerativas da esclerose múltipla. A previsão é que em 2006 o genoma completo tenha sido identificado e, com isso, novos remédios e tratamentos possam ser desenvolvidos para combater a doença.O resultado foi obtido depois de um estudo com 1.800 pessoas, sendo 900 com esclerose múltipla e 900 pessoas saudáveis, realizado na França, Suécia e Estados Unidos. Segundo a empresa, os pesquisadores puderam identificar os genes responsáveis pela doença comparando o perfil genético dos dois grupos.

Agencia Estado,

18 de março de 2005 | 12h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.