Escola jesuíta alemã enfrenta escândalo de pedofilia

As investigações sobre o caso foram abertas por iniciativa da própria direção da escola

EFE,

29 Janeiro 2010 | 14h40

O escândalo de suposta pedofilia na escola de elite Canisius de Berlim, da ordem dos jesuítas, se agravou com a aparição de novas vítimas e a constatação, além disso, de que pessoas que sofreram abusos sexuais mandaram posteriormente seus filhos a esse mesmo centro.

 

Grupo católico pede saída de bispos acusados de pedofilia

Papa convoca reuniões para debater pedofilia na Irlanda

Papa ordena apuração de congregação nos EUA após escândalo

 

Assim explicou a promotora Ursula Raue, encarregada das investigações, segundo a qual nas últimas horas várias supostas vítimas entraram em contato com ela por e-mail, assim como outras pessoas que simplesmente tinham ou achavam ter conhecimento dos casos.

 

As investigações sobre o caso foram abertas por iniciativa da própria direção da escola jesuíta, diante dos indícios de que nos anos 70 e 80 praticavam-se, aparentemente de maneira sistemática, abusos sexuais por parte dos professores com alunos.

 

Até agora se sabia dos casos de sete supostas vítimas, que tinham reclamado à direção do centro.

Ao que parece, alguns deles, apesar do que sofreram, enviaram posteriormente seus filhos a essa mesma escola de elite.

 

O caso foi divulgado nesta semana pela imprensa berlinense. O reitor da escola, o padre Klaus Mertes, disse à imprensa que oferece toda sua colaboração nas investigações policiais.

 

 A escola Canisius é regida pela ordem dos jesuítas. Entre os seus ex-alunos, destacam-se personalidades do âmbito econômico e político, acrescentava o reitor .

 

O próprio Mertes, perante os indícios de abusos sexuais dos docentes, enviou semanas atrás uma carta a cerca de 600 ex-alunos de ambos os sexos, na qual expressava seu constrangimento pelos indícios de que no centro ocorreram "práticas vergonhosas", "de forma sistemática" e "durante anos".

 

 A polícia abriu investigações, mas elas têm um final incerto, pois tais crimes já teriam prescrito. De acordo com o código penal alemão, os abusos sexuais prescrevem dez anos após terem sido cometidos.

 

 No caso dos menores, como seria este, os dez anos são contados a partir do momento em que chegam à maioridade de 18 anos, ou seja, quando as vítimas atingem os 28 anos.

 

No caso da escola berlinense, se estima que as supostas vítimas tenham agora cerca de 40 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.