Jean-Baptiste Vincent/The University of Maryland, College Park/ Nature/AFP
Jean-Baptiste Vincent/The University of Maryland, College Park/ Nature/AFP

Nave Rosetta descobre grandes buracos em superfície de cometa

Cavidades no 67P/Churyumov-Gerasimenko são enormes o suficiente para encobrir a famosa pirâmide de Gizé, no Egito

O Estado de S. Paulo

02 Julho 2015 | 11h55

O cometa que está sendo estudado pela espaçonave europeia Rosetta tem gigantescos buracos em sua superfície, grandes o suficiente para encobrir a pirâmide de Giza, no Egito, de acordo com pesquisa publicada nesta quarta-feira, 1º. Os cientistas suspeitam que esses fossos tenham sido formados no colapso de materiais com a superfície do cometa, semelhante aos buracos na Terra, mostrou estudo publicado na revista científica Nature.

As cavidades do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, orbitado pela Rosetta desde agosto, são enormes, alongando-se por cerca de 200 metros em diâmetro e 180 em profundidade. A pirâmide egípcia, em comparação, possui 230 metros de largura por 140 de altura.

A descoberta deve ajudar cientistas a compreenderem melhor como cometas se formaram e evoluíram.

“Encontrar os buracos foi uma surpresa total”, disse o físico espacial Paul Weissman, do Laboratório de Propulsão a Jato da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa, na sigla em inglês), na Califórnia. /REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Astronomia Rosetta Cometa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.