Nasa
Nasa

Especialistas europeus tentam organizar o lixo espacial

O Comando Estratégico dos EUA rastreia 13.943 objetos em órbita, com 10 centímetros ou mais

Associated Press,

02 de abril de 2009 | 15h55

Pesquisadores preocupados com o crescente volume de destroços em órbita da Terra pediram esforços para a remoção do lixo espacial, dizendo que isso garantirá um ambiente seguro ao redor do planeta.

 

linkTripulação do Discovery volta a checar danos na nave

linkRota da ISS pode mudar para evitar colisão com lixo espacial

linkRestos de satélites ficarão no espaço por 10 mil anos, diz russo

 

Mais de 300 cientistas e outros especialistas que se reuniram por quatro dias na Agência Espacial Europeia (ESA) disseram, nesta quinta-feira, 2, que a partilha de informações é um passo crucial para evitar colisões e prever, com maior precisão, onde satélites destruídos cairão na Terra.

 

"Precisamos partilhar mais dados", disse Thomas Schildknecht, do Instituto de Aeronáutica da Universidade de Berna. "Consideramos essa a parte mais importante e desafiadora do futuro imediato".

 

Várias agências internacionais rastreiam o lixo no espaço. O Comando Estratégico dos EUA, que monitora destroços espaciais, rastreia 13.943 objetos com 10 centímetros ou mais, e existem milhares de fragmentos ainda menores em órbita.

 

Mas Heiner Klinkrad, da ESA, destaca que, no longo prazo, a remoção dos satélites desativados ou despedaçados, além de outros restos de naves espaciais, será essencial para evitar colisões.

 

Em março, um pedaço de lixo espacial quase colidiu com a Estação Espacial Internacional (ISS). Em fevereiro, um satélite particular do sistema Iridium colidiu com um satélite russo desativado.

Tudo o que sabemos sobre:
lixo espacialesa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.