Estatueta 'pornô' é a mais antiga obra de arte figurativa

Escultura em marfim de mamute de 35 mil anos mostra o corpo feminino com características sexuais exageradas

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

13 de maio de 2009 | 14h29

Um pingente de marfim de mamute de seis centímetros de altura, representando uma mulher de seios, coxas e órgãos sexuais exagerados, é a mais antiga peça de arte figurativa já descoberta no mundo, dizem cientistas na edição desta semana da revista Nature. Em comentário que acompanha o artigo que descreve a descoberta, o arqueólogo britânico Paul Mellars diz que a figura, "para a sensibilidade do século 21, chega às raias do pornográfico".

 

Veja também:

video Vídeo: Prehistoric pin-up (website da Nature, em inglês)

link Homem moderno levou neandertal à extinção, diz estudo

link Fogo e flexibilidade definem dieta humana, dizem cientistas

linkDescoberta a mais antiga caverna ocupada por seres humanos

linkCaverna revela 'vida moderna' no litoral há 165 mil anos

linkMacho hominídeo tinha vida perigosa antes de formar harém

 

O pingente foi descoberto no sul da Alemanha por arqueólogos da Universidade de Tubíngia, e datado de 35 mil anos atrás. Chamado de Vênus de Hohle Fels - o nome da caverna onde foi encontrada - o objeto tem, no lugar da cabeça, num anel para  apassagem do cordão.

 

A Vênus de Hohle Fels é pelo menos cinco mil anos mais antiga que todas as outras estátuas do mesmo tipo já descobertas. O pingente foi encontrado juntamente com ferramentas de osso, pedra e marfim característicos das primeiras habitações de seres humanos modernos na Europa.  A população humana moderna substituiu os neandertais no continente, um processo que culminou com a extinção do homem de neandertal há cerca de 30 mil anos.

 

Obras de arte mais antigas já foram encontradas - há sinais de arte africana de 75 mil anos atrás - mas são trabalhos abstratos, e não figurativos. A arte figurativa, escreve Nicholas Conard, autor do artigo que descreve a descoberta, "costuma ser vista como um sinal importante de comunicação simbólica".

 

O pingente foi descoberto em fragmentos e, depois de todas as peças serem documentadas e identificadas, esses fragmentos foram colados para reproduzir o máximo da estatueta intacta. As escavações no local prosseguem, e talvez novos fragmentos do pingente ainda venham a ser descobertos: a estátua ainda está sem o ombro e o braço esquerdos.

 

Em seu comentário, Mellars diz que "a característica da figura recém-descoberta que certamente chamará mais atenção é sua natureza sexual explícita, quase agressiva". Citando o fato de outras figuras de "Vênus" - torsos femininos com características sexuais exageradas - já terem sido datadas de 29 mil a 25 mil anos atrás, o arqueólogo pondera que "a extensão dessa obsessão com as características femininas a pelo menos 35 mil anos atrás não deve surpreender", citando a descoberta de esculturas de 35 mil a 36 mil anos atrás, na França, que parecem inspiradas pela aparência da vulva.

 

A Vênus de  Hohle Fels, em dois ângulos. A escultura toda tem 6 centímetros. Divulgação

 

"Qualquer que seja a opinião que se tenha sobre essas representações, está claro que a dimensão sexualmente simbólica da arte europeia (e mundial) tem uma longa ancestralidade na evolução de nossa espécie", escreve.

 

Em documentário produzido para a internet pela Nature, a arqueóloga Maria Malina, que tomou parte na descoberta, diz que a estátua ajuda a entender melhor a vida do povo pré-histórico. "As pessoas não estavam só procurando comida ou caçando. Elas tinham tempo de tocar música, de criar arte. Cultura e arte eram partes importantes da vida humana naquela época", diz. "Talvez isso nos faça vê-los muito mais perto de nós".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.