'Estrela fugitiva' escapa de nuvem espacial a mais de 400.000 km/h

Ela teria sido expulsa de seu local de origem pela influência gravitacional das irmãs

estadao.com.br

12 Maio 2010 | 15h48

Uma estrela fugitiva está correndo para fora de um berçário estelar a mais de 400.000 km/h, velocidade suficiente para levar uma nave espacial à Lua em menos de uma hora. A estrela "fugitiva" é um exemplo de astro de grande massa que acaba expulso de seu berçário por um grupo de irmãos ainda mais pesados.

 

A estrela despejada está na periferia da nebulosa 30 Doradus - também conhecida como Tarântula - uma área de nascimento de estrelas na Grande Nuvem de Magalhães. A descoberta reforça a hipótese de que as estrelas de maior massa do Universo local estão em 30 Doradus, a 170.000 anos-luz da Terra. 

 

Pistas obtidas por três observatórios, incluindo o Telescópio Espacial Hubble, sugerem que a estrela viajou cerca de 375 anos-luz de sua morada original, um aglomerado gigante chamado R136. Localizado no núcleo de Tarântula, R136 contém várias estrelas com mais de dez massas solares.

 

"Processos dinâmicos assim em aglomerados densos e de grande massa foram previstos pela teoria há algum tempo, mas esta é a primeira observação direta do processo numa região assim", disse, em nota, o pesquisador Nolan Walborn, do Instituto de Ciência do telescópio Espacial (STScI).

 

Imagem da nebulosa da Tarântula, com o aglomerado R136 ao centro e a posição atual da estrela no destaque. Nasa/ESA

 

"Estrelas fugitivas de menor massa tinham sido vistas no Aglomerado da Nebulosa de Órion, muito menor, pela há mais de 50 anos, mas esta é a primeira confirmação potencial de previsões mais recentes, feitas para os aglomerados mais jovens e de maior massa", completa. 

 

Estrelas fugitivas podem ganhar velocidade de duas formas - sendo expulsas por meio da interação gravitacional com outros astros, ou ganhando energia da explosão de uma supernova em um sistema binário. Os astrônomos acreditam que R136 é jovem demais para já ter produzido supernovas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.