Estudo aponta vilões do câncer de cabeça e pescoço

Há dois fatores que levam o câncerde cabeça e pescoço --a dupla tabagismo/alcoolismo, como já sesabia, e também o papilomavírus humano (HPV), um vírussexualmente transmissível, disseram pesquisadores naterça-feira. Esses dois fatores de risco são tão diferentes que ostumores resultantes do HPV deveriam ser tratados como doenças àparte, segundo a equipe responsável pelo estudo, daUniversidade John Hopkins, em Baltimore. O câncer de cabeça e pescoço inclui tumores de boca,língua, nariz, bochecha, garganta e nódulos linfáticos dopescoço. "São cânceres completamente diferentes, e precisamos vê-loscomo tal. Simplesmente ocorrem no mesmo lugar. Os fatores derisco não parecem se sobrepor em nada, e não parecia haverqualquer interação entre eles", disse por telefone MauraGillison, professora de Oncologia e Epidemiologia. Mais de 35 mil pessoas são diagnosticadas por ano com essadoença nos EUA. Se o diagnóstico for precoce, pode haver boachance de tratamento cirúrgico, radioterápico e quimioterápico. Segundo Gillison, pessoas com o câncer de origem viraltendem a reagir melhor ao tratamento. O HPV é transmitido por via sexual e causa câncer do colodo útero e verrugas genitais. Desde 2000 já se sabia também daassociação com alguns casos de câncer de cabeça e pescoço,particularmente no alto da garganta e atrás da língua. O novo estudo, publicado na revista do Instituto Nacionaldo Câncer dos EUA, avaliou 240 pacientes entre 2000 e 2006.Quase 40 por cento deles estavam contaminados pelo HPV, e emgeral não apresentavam os fatores de risco mais conhecidos parao câncer de cabeça e pescoço -- tabagismo, consumo de álcool emá higiene oral. Segundo Gillison, as pessoas com o câncer de origem viraltinham um conjunto completamente diferente de fatores de risco,como promiscuidade sexual, prática do sexo oral e uso demaconha --os canabinóides podem afetar o sistema imunológico nocombate a uma infecção.

WILL DUNHAM, REUTERS

11 de março de 2008 | 19h36

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIACANCERCABECA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.