Pixabay
Pixabay

Estudo associa vírus à ‘doença do glúten’

Pesquisa indica que infecção por reovírus pode levar ao desenvolvimento da doença celíaca

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

07 Abril 2017 | 03h00

As infecções por vírus da família reovírus são bastante comuns e, até agora, eram consideradas inofensivas e assintomáticas. Mas, de acordo com um novo estudo, os reovírus podem desencadear no sistema imune da pessoa infectada uma resposta ao glúten, que leva ao desenvolvimento da doença celíaca. 

A análise, publicada nesta quinta-feira, 6, na revista Science, foi liderada por cientistas das universidades americanas de Chicago e Pittsburgh. Segundo os autores, o estudo sugere ainda que as infecções virais podem estar ligadas não só à celíaca, mas também a outras doenças autoimunes, como a diabete. “Isso mostra que um vírus que não produz sintomas pode, ainda assim, causar problemas no sistema imune e preparar o terreno para distúrbios autoimunes”, afirmou a autora principal, Bana Jabri, diretora científica do Centro de Doença Celíaca da Universidade de Chicago.

Terence Dermody, da Universidade de Pittsburgh, relatou que a equipe se surpreendeu+ com a descoberta. “Ficamos surpresos e agora poderemos definir precisamente quais são os fatores virais responsáveis pela resposta autoimune.”

1% da população. De acordo com os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, a doença celíaca afeta cerca de 1% da população mundial. É causada por uma resposta autodestrutiva do sistema imune da pessoa à proteína do glúten – encontrada em trigo, centeio e cevada –, que danifica o revestimento do intestino delgado. Incurável, a doença só pode ser prevenida por uma dieta desprovida de glúten.

Embora a maior parte dos reovírus não cause doenças, essa família viral inclui os rotavírus humanos, que são a principal causa de diarreia infantil no mundo. No novo estudo, os cientistas demonstraram que os vírus intestinais podem induzir o sistema imune a ter uma reação exagerada ao glúten, desencadeando a doença celíaca.

Utilizando duas linhagens diferentes de reovírus, os pesquisadores revelaram como as diferenças genéticas entre os vírus podem modificar suas interações com o sistema imune. Ambas as linhagens de reovírus eram capazes de induzir a uma reação imunológica protetora e não causavam nenhuma doença visível. No entanto, em camundongos, uma das linhagens de reovírus provocou uma resposta imune inflamatória e a perda da tolerância ao glúten.

Mais conteúdo sobre:
Chicago

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.