Divulgação
Divulgação

Estudo britânico aponta relação entre depressão e morte por câncer

Investigadores ressaltaram que se trata de uma constatação estatística e que isso não implica que haja um vínculo de causa e efeito

O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2017 | 12h38

PARIS - As pessoas que sofrem depressão ou ansiedade podem ter mais probabilidades de morrer de alguns tipos de câncer, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira, 26. A análise da ficha clínica de mais de 160 mil adultos na Inglaterra e em Gales mostrou que os que declararam que sofrem de problemas psicológicos eram mais propensos a morrer de câncer de colo, próstata e pâncreas.

Os investigadores ressaltaram que se trata de uma constatação estatística e que isso não implica que haja um vínculo de causa e efeito entre o estado psíquico de uma pessoa e o câncer. Mas os resultados se somam a vários indícios que apontam a existência de interação entre a saúde física e a saúde mental, destacou o artigo publicado na revista British Medical Journal

Várias investigações já apontaram a existência de uma relação entre os sintomas da depressão e os transtornos ansiosos, e a incidência de enfermidades cardiovasculares.

Mas até agora, as tentativas de mostrar um possível vínculo com câncer têm tido resultados pouco claros, explicaram os especialistas, um grupo de pesquisadores da University College de Londres, a Universidade de Edimburgo e a de Sidney. A equipe, coordenada por David Batty, epidemilogista da University College de Londres, analisou 16 estudos que faziam um acompanhamento de determinada população a longo prazo, uma dezena de anos. 

Do total de 163.363 pessoas analisadas, um grupo composto por indivíduos de mais de 16 anos e que não tinham câncer no início do estudo, 4.353 morreram por essa patologia durante as observações. Os investigadores centraram o estudo nos cânceres que dependem dos hormônios ou que estão ligados ao estilo de vida.

Vários estudos sugerem que, efetivamente, o desequilíbrio hormonal que causa a depressão conduz a uma produção mais elevada de cortisol e inibe os mecanismos naturais de reparação do DNA, o que enfraquece as defesas em função do câncer.

Também há dados de que entre as pessoas depressivas é mais comum o tabagismo, o consumo de álcool e a obesidade, três fatores de risco para o câncer.

Segundo a análise realizada, as pessoas que sofriam sintomas de depressão e ansiedade tinham uma incidência 80% mais alta de morrer de câncer de cólon, e eram duas vezes mais propensas a falecer de um câncer de próstata, de pâncreas ou de esôfago.

Os pesquisadores ajustaram estatisticamente os efeitos de distorção atribuídos ao modo de vida, sexo, idade, peso e situação socioeconômica.

Os especialistas indicaram que também não é possível excluir uma causalidade inversa, ou seja, que a depressão seja provocada pelos sintomas de um câncer que ainda não foi diagnosticado. "É preciso realizar outras pesquisas para entender mais sobre a relação do câncer e suas possíveis causas", disse Batty. /AFP

Mais conteúdo sobre:
Inglaterra Sidney DNA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.