<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Estudo indica mecanismo que leva à queima de gorduras

Que a leptina desempenha um papel importante na queima de gorduras no nosso corpo, os cientistas já estão cansados de saber. O problema era saber como. Um estudo realizado nos Estados Unidos por diferentes entidades deu um passo significativo para desvendar esse mistério e, com isso, ajudar no combate à obesidade.Segundo a Agência Fapesp, pesquisadores da Escola Médica da Universidade de Brown, Hospital Rhode Island, Escola Médica da Universidade de Harvard e do Centro Médico Beth Israel Deaconess descobriram que a leptina, hormônio fabricado pela células adiposas, aciona a produção da forma ativa de um peptídeo - o áMSH - no hipotálamo, uma pequena área na base do cérebro que controla atividades importantes do organismo, como o apetite e o sono.De acordo com os cientistas, o áMSH seria responsável pelo envio ao cérebro de mensagens rápidas e incisivas para queima de gorduras.Queimar mais caloriasO argentino Eduardo Nillni, da Universidade de Brown e do Hospital Rhode Island, explica que "se, de algum modo, por meio de um medicamento, pudermos aumentar a atividade do áMSH, será possível forçar o organismo a queimar mais calorias e a perder peso".Os pesquisadores estudaram mudanças químicas no cérebro de camundongos e ratos que receberem injeções de leptina.A cada ano, cerca de 300 mil pessoas morrem de causas relacionadas à obesidade nos Estados Unidos. Segundo o Centro para Controle e Prevenção a Doenças do governo norte-americano, 61% dos adultos do país são obesos ou estão acima do peso considerado ideal.Como funcionaO áMSH estimula a formação, em outra parte do hipotálamo, de um outro peptídeo, que é então liberado, estimulando a hipófise. Ela, por sua vez, secreta um hormônio que transmite uma mensagem à tireóide, glândula responsável por importantes funções metabólicas.Uma vez ativada, a tireóide envia um chamado para as células do organismo aumentarem a produção de energia.

Agencia Estado,

08 de agosto de 2004 | 16h57

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 9,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
1, 90
/ mês
No primeiro mês
R$ 19,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
22, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.