Estudo liga tamanho de bebê a risco de depressão

Bebês que nascem com menos de 2,5 quilos têm um risco 50% maior de sofrer de depressão e ansiedade na vida adulta, sugere uma pesquisa de uma equipe da Universidade de Bristol publicada pelo British Journal of Psychiatry.A equipe de Bristol, em cooperação com a Faculdade de Medicina Tropical e Higiene de Londres, utilizou informações de 5.572 indivíduos que haviam participado de um estudo feito em 1950.Eles compararam a incidência de depressão, quando os participantes atingiram idade entre 45 e 51 anos, e seu peso ao nascer, levando em conta seu desenvolvimento mental na infância.Wiles disse que a ligação de peso baixo e depressão na vida adulta pode se dever a restrições no crescimento do indivíduo dentro do ventre materno, o que pode ter prejudicado o desenvolvimento do cérebro de alguma forma.´Só mais um fator´O estudo diz que o aumento do risco permanece mesmo levando-se em conta fatores como QI (Quociente de Inteligência) da criança ou se ela tem ou não problemas de comportamento. Também não houve impacto de outros fatores como classe social e idade da mãe."Foi um efeito direto, então achamos que elementos que surgem antes do nascimento podem ser importantes", disse Nicola Wiles, que liderou a pesquisa.Mas ela enfatizou que as pessoas não devem ficar alarmadas com as conclusões do estudo, pois pode haver muitas outras causas para depressão e este é apenas mais um fator a se considerar.Estudos anteriores já vincularam o peso de bebês à incidência de depressão na vida adulta.Um trabalho do Conselho de Pesquisa Médica da Grã-Bretanha publicado em 2004, que envolveu 5 mil participantes, chegou às mesmas conclusões do estudo que o British Journal of Psychiatry publica agora.

Agencia Estado,

01 de julho de 2005 | 11h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.