Estudo mapeia memórias de fãs dos Beatles ao redor do mundo

'Magical Memory Tour', de cientistas britânicos, busca ser o maior banco de memórias autobiográficas do mundo

Reuters,

10 de março de 2008 | 16h19

Para milhões de pessoas ao redor do mundo, os Beatles escreveram a trilha sonora de suas vidas. Agora, essas lembranças estão sendo usadas para descobrir o que elas despertam na memória mais vívida das pessoas.   Cientistas britânicos, testando a conexão entre memória e música num novo estudo de psicologia, lançaram a 'Magical Memory Tour' e pediram a ajuda de fãs para criar o maior banco de dados de "memórias autobiográficas" já elaborado.   Para os psicólogos Martin Conway e Catriona Morrison, da University Of Leeds, os Beatles são a escolha perfeita como ícones globais, que atravessaram diferentes gerações, países e culturas.   "A oportunidade de coletarmos um grande corpo de memórias de fãs do mundo todo é muito desafiadora para resistirmos", disse Conway. "Eles (os Beatles) fazem parte da vida de pessoas de diferentes idades e continuam tendo um apelo muito forte", acrescentou. Segundo o psicólogo, espera-se reunir pelo menos 10 mil lembranças pessoais.   As descobertas serão apresentadas em setembro, num festival organizado pela British Association for the Advancement of Science, na cidade natal dos Beatles, Liverpool.   Os resultados das pesquisas na internet irão auxiliar os pesquisadores a entenderem como crianças desenvolvem capacidade para memória e o processo de recordação dos adultos, além de indicar como as lembranças mudam nas diferentes idades.   Os participantes escritos no site da pesquisa devem pensar sobre a primeira coisa relacionada aos Beatles que lhes vem em mente na sua vida - pode ser uma canção, um disco, um show ou algo que aconteceu para seu Beatle favorito, como onde você estava quando soube do assassinato de John Lennon.   "A chave da pesquisa é responder com a primeira lembrança que vem em mente. Não tente pensar muito", afirma Conway. "Nós estamos felizes de ouvir suas lembranças pessoais sobre os Beatles, mas por favor, nos poupe de muitos detalhes ilustrativos", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.