Estudo mostra que berinjela não baixa colesterol

Quem acorda de manhã cedo e preparaseu suco de berinjela com laranja, batido no liquidificador,perde tempo se deseja baixar o colesterol. Um estudo doInstituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas, de SãoPaulo, comprovou que a berinjela não reduz o colesterol.Apesquisa foi apresentada no 23º Congresso da Sociedade deCardiologia do Estado de São Paulo, que ocorreu neste fim desemana em Campos de Jordão.Um grupo de 22 pessoas - 9 homens e 13 mulheres - comidade de 25 a 75 anos participou do estudo. Todos tinhamcolesterol acima de 200 mg/dl, ou seja, além do limiteconsiderado normal. Nenhum deles estava tratando o problema.Ogrupo foi dividido em três: nove tomaram suco de berinjela comlaranja em jejum todos os dias, seis receberam lovastatina(remédio que reduz o colesterol) e sete não tomaram nada. Odia-a-dia de todos, alimentação e atividades físicas, continuouo mesmo, tal como antes do estudo.Os pacientes foram submetidos à pesquisa durante seissemanas. O cardiologista Bruno Caramelli, um dos pesquisadoresdo Incor, explica: é o tempo suficiente para que uma alteraçãona alimentação provoque alguma redução no colesterol. No caso doestudo, essa alteração é o suco de berinjela com laranja.Ao longo das seis semanas, os pacientespassaram por três medições do nível de colesterol: uma no iníciodo estudo, a segunda na terceira semana e a última no fim dapesquisa."Só houve redução do colesterol dos pacientes tratadoscom lovastatina", diz Juliana Marchiori Praça, aluna daFaculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) quefez parte da equipe de pesquisadores. "A berinjela nãosubstitui os remédios para baixar o colesterol", completa.Segundo Caramelli, dois trabalhos brasileiros comanimais sugerem que a berinjela pode reduzir o colesterol."Nosso estudo demonstra que em seres humanos é diferente."Além do suco de berinjela, há outras receitas caseiras que,embora prometam diminuir o colesterol, também não funcionam.Entre os mitos, estão leite e ovos enriquecidos com ômega 3,semente de mamão papaia, tremoço e macadâmia (um tipo de noz).O colesterol é um tipo de gordura quecircula pelo organismo por meio da corrente sanguínea. Quandoalto, o colesterol deixa o indivíduo mais vulnerável aosenfartes. Para reduzir a taxa de colesterol no sangue, e assimreduzir o risco de enfarte, a primeira opção é mudar os hábitosalimentares.Isso significa diminuir a ingestão de alimentosgordurosos, principalmente os que contêm gordura saturada(presente na carne vermelha, no leite integral e na manteiga,por exemplo)."Ao mesmo tempo, o paciente deve controlar outrosfatores de risco que facilitam o aumento do colesterol",explica Caramelli. "É preciso parar de fumar, perder peso epraticar atividade física com regularidade."Se o colesterolcontinuar alto apesar da mudança de hábitos, a segunda opção étratamento com remédios, como a lovastatina, sob a orientação deum médico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.