Estudo refuta vínculo entre cratera e fim dos dinossauros

Uma cratera situada no México muitasvezes citada como a evidência de que um asteróide sozinho teriasido capaz de extingüir os dinossauros pode não estar envolvidanesse episódio da história da Terra, afirma um novo estudo. Um grupo de pesquisadores liderado por Gerta Keller, daUniversidade de Princeton, defende que o impacto que causou acratera ocorreu cerca de 300.000 anos antes da extinção dosdinossauros. Em um texto publicado no site da Academia de Ciências dosEstados Unidos na internet, o grupo de pesquisadores diz haveruma camada de sedimentos encontrada entre a camada do impacto echamada "fronteira K-T", que marca a extinção em massa dosdinossauros, ocorrida cerca de 65 milhões de anos atrás. Por terem sido necessários centenas de milhares de anos para aformação dessa camada, os cientistas argumentam que o impactodeve ter ocorrido muito antes da extinção. Entretanto, Richard D. Norris, do Instituto Scripps deOceanografia, contesta a argumentação do grupo e sugere que oscientistas teriam localizado erroneamente a fronteira K-T.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.