Estudo relaciona tamanho da cabeça do bebê a câncer

Bebês que têm a cabeça grande podem estar mais sujeitos a desenvolver câncer cerebral ainda durante a infância, dizem cientistas noruegueses. A circunferência da cabeça do bebê ao nascer reflete o tamanho do cérebro, e os pesquisadores suspeitam que em alguns casos isto pode ser um sinal de padrões de crescimento que não são normais.O Instituto de Saúde Pública da Noruega testou suas hipóteses examinando os históricos de saúde de mais de um milhão de pessoas. Eles descobriram que a probabilidade de ter a doença ainda na infância era maior entre as pessoas que tinham cabeças de dimensões maiores quando eram bebês.Fatores de crescimentoPara cada centímetro a mais, o risco relativo de ter um tumor é 27% maior, diz o estudo. Os autores da pesquisa dizem que os resultados sugerem que o câncer no cérebro pode começar a se desenvolver ainda antes de a criança nascer.Acredita-se que as células cancerígenas, especialmente aquelas que desempenham uma função no suprimento de sangue para um tumor, sejam estimuladas pelos mesmos fatores que fazem crescer os tecidos celulares saudáveis.Portanto, se tecidos saudáveis crescem a um ritmo mais rápido que o normal, isso pode indicar que o mesmo esteja acontecendo com o desenvolvimento de células malignas.Outra hipótese é que as crianças com cabeças maiores podem estar mais sujeitas ao câncer porque possuem mais células do que as outras.

Agencia Estado,

11 de dezembro de 2005 | 11h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.